quinta-feira, 29 de maio de 2014

não sei

o que fazer nos próximos meses, especialmente em junho e julho estou com dúvidas monstruosas. queria visitar mundos distantes, outros planetas, novas galáxias e sistemas solares mas não existe transporte (público) para lá, mesmo se tivesse é bem provável que minha renda não fosse o bastante para pagar a tarifa. 

qualquer lugar e canto que não tocasse no assunto seleção, delegações chegaram entraram no hotel, granja tá frio, chovendo e ventando pobrezinhos dos jogadores e delegação, gramado importado cresceu com sistema ultra moderno, trave quer dizer gol tem exatos centímetros de um lado para outro, sala de treinamento ultra modernas, taça em são paulo, os melhores de outros tempos e mundiais quando fomos um e as mazelas sociais eram encobertas através da paixão pelo futebol.

meu deus, meus etes e minhas cabriolinhas do céu não quero ouvir e saber nada disso. sequer começou e não estou aguentado estas bestagens.

exceto informações sobre o campeonato brasileiro que minimamente me contempla quando raramente é lançado promoção de dez reais para os jogos - do resto não quero saber - não importa e não me interessa.

afinal se o que acontece fora de campo não é um problema para se preocupar, acredito que o acontece dentro dele também não, ao ponto de me fazer sentar em frente de uma tevê e assistir um jogo sequer ou saber informações sobre os pobrezinhos com milhões de reais e dólares nas contas.

e considerando que todo roubado foi-se ou todo roubado talvez seja compensado através do suposto legado, turismo e eteceteras ainda que aconteça não contemplará quem de fato precisa, reafirmando que não devo me importar com absolutamente nada sobre o assunto.

desanimada? de forma alguma, acredite nunca antes na história da minha vida estive tão animada. pela primeira vez vejo a preocupação popular no que realmente importa. não vejo empolgação, ânimo, alegria da população neste evento.

na verdade não vejo nem o mínimo do mínimo da empolgação, a prova está em ruas não enfeitadas, na falta de gente falando pelos cotovelos, super hiper mega contentes para: chegada dos jogos, fazer dívida  na compra de televisão de tela plana, fazer um churrascão para receber família ou amigos mesmo por que o preço da carne está pela hora da morte o que percebo é muito diferente do que está sendo constantemente divulgado e com isso não quero dizer que estou a favor do cerceamento da liberdade de escolha, usar a fé para fins políticos e econômicos é promover alienação!

não sei se irá mudar em junho ou julho o que sei é que cada vez mais tenho esperanças num futuro bem próximo da conscientização que move sabe, seja atravessando crises e desastres econômicos, se continuar assim, arrisco dizer com pequenas e miúdas esperanças da possibilidade de acontecer um certo baião. 

ps:resta saber onde e quando vou gritar olha a cobra!!! ah é mentira!!! olha a chuvaaaaaa! já passou! olha o baião e a revolução não é mentiraaaaaaaaa!!! :>) ainda não custa sonhar né?