quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Feliz Ano Novo

– Querida, que débito é esse de R$ 600 na nossa conta no dia de Natal?

– Taqueuspa. Você fez de novo...

– Fez de novo o quê, criatura?

– Você novamente se esqueceu do chip que detecta tudo o que acontece no carro. Basta avançar o sinal e a multa é debitada imediatamente.

– Mas por que R$ 600?

– No mínimo, você também foi flagrado pelo sensor do bafômetro acoplado no painel.

– Duas taças de sidra vagabunda... Deveriam multar sua mãe por continuar sendo tão mão-de-vaca.

– Nesta semana vence o prazo para você fazer a atualização do chip da obesidade, mais um projeto aprovado pelo Senador Sarney para poupar os cofres públicos.

– Poupar os cofres públicos e terminar o aeroporto internacional na Ilha do Curupu...

– Agora preciso ir ao açougue para abastecer o freezer. Não agüento mais comer carne de avestruz.

– É a única liberada por causa do colesterol. Esse projeto do Serra foi o melhorzinho. Pior foi a tornozeleira eletrônica com GPS que os fumantes agora são obrigados a usar.

– Mas a expectativa de vida vai chegar quase aos 80 anos. E os idosos vão viver melhor com a bolsa senilidade que a Dilma instituiu.

– Amor, hoje passei na farmácia e recebi o kit Marta Suplicy: uma caixa de Viagra e 12 camisinhas.

– Camisinhas foram banidas, querido. Nos dois dias da semana em que o sexo está liberado é necessário ir ao Centro de Saúde e lacrar o bilau. Genial a ideia de usar o protect bag dos aeroportos para prevenir doenças venéreas. Meio incômodo, mas nunca antes neste país os índices diminuíram tanto...

– “Nunca antes neste país”? Que frase mais antiga...

– Meu bem, você sabe que sou uma periguete aposentada que gosta de preservar as tradições. Viva o Ano Novo que está às portas.

– Feliz 2020, amor.

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Nada será como antes

Então, respirou fundo e seguiu em frente, em frente toda vida. Em 2010 será melhor...
- Sei que nada será como está, amanhã ou depois de amanhã...nada será como antes!

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Os não-vaidosos

Os não-vaidosos. Seres superiores, são eles. Colocam boné na cabeça antes de casa e não olham para o espelho do elevador. Não há bad-hair day para um não-vaidoso. Eles desconhecem a aflição da espinha na ponta do nariz e a vergonha de uma bunda peluda.

Há quem diga que são mais felizes. O armário é cheio de possibilidades. Todas as roupas combinam entre si como uma paleta de cores para um daltônico. Para os calçados, basta acertar o número. Se é um tênis surrado, sapado caramelo ou papete, tanto faz, desde que seja tamanho 41.

Cientistas americanos tem estudado há um certo tempo esses mutantes. Indiferentes a qualquer manifestação fashion, caminham pela cidade se destacando pela simplicidade. Hoje, todo mundo é muito fashion, muito alternativo, muito descolado e pouco tranquilo. Os não-vaidosos ganham uma certa dose de estilo por isso.

Em tempos em que garotos roubam o lápis de olho da mãe, usam camisetas embaladas à vácuo e correm o risco de caírem por falta de mobilidade em suas calças skinny, os não-vaidosos circulam livres, soltos e com aquele sorriso que só a tranquilidade é capaz de dar uma pessoa. São belos. E bate até uma inveja...mas como chorar de raiva sem borrar a maquiagem?

domingo, 27 de dezembro de 2009

Metrôs do mundo


Vai viajar? É daqueles que programa até o deslocamento de metrô no dia-a-dia da viagem?

Seus problemas se acabaram!

sábado, 26 de dezembro de 2009

Viva!! 1 mês de alegrias!!!

Amigos leitores do nosso blog, há 1 mês minha vida se transformou devido à entrada de uma das coisas mais maravilhosas que já me apareceram: a Camila.

Bem, vamos parar a babação de ovo e postar logo 1 fotinha da gatinha.

[ ]'s

Feliz Ano Novo!!!
Muita Paz e Prosperidade em 2010!!


quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Ser poeta...


Todas as profissões têm férias remuneradas...
Décimo terceiro...
Décimo quarto...
E por que eu?
Que nem ganho, pra escrever...
Eu, que deixo um pedaço de mim em cada verso...
Não consigo descansar?

Eu posso esconder todos os papéis e canetas...
Posso desligar o computador, a máquina de escrever...
Ainda sobrará sangue... fervilhando em meu pulso...
Mandando-me escrever...

Recuso-me a falar do natal e do ano novo:
Reservo-me no último direito - que acho que tenho.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Que venha 2010

Termino o ano mais gorda que comecei. E mais leve, mais feliz, mais forte.
Troquei de namorado, de terapeuta, de máquina de lavar.
Mantive o emprego.
Parei de roer unha.
Entrei na academia.
Fiz novos amigos.
Parei de correr.
Fui em 5 casamentos. Nenhum meu.
Ainda não aprendi a cozinhar.
Não viajei pra fora do país. Nem pra dentro dele.
Não estudei inglês. Nem nenhuma outra coisa.
Não organizei minha vida. Não juntei dinheiro.
E nem quero nada disso.
Pra 2010 eu quero o mesmo que tive esse ano.
Muita sorte, saúde, amor e magia. O que vier além disso é lucro.

Todos os dias têm sido sexta feira pra mim.
Estou apaixonada.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

resoluções 2009 X resoluções 2010

Me recordo muito bem que na segunda-feira, 29 de dezembro de 2008, eu estava preparando as resoluções de 2009. Dessa vez decidi antecipar a preparação das resoluções 2010 e compará-las, para ver realmente o que mudou, o que não mudou e o que nunca vai mudar. Aí vai!

Para 2009 eu pretendia: tirar a carteira de motorista, arranjar um estágio na área, ganhar muita grana, ganhar na mega-sena (quem sabe ainda não ganho na da Virada!), arranjar um namorado com quem eu consiga passar mais de três meses juntos, não passar o aniversário sozinha, viajar no carnaval, ter alguém pra compartilhar o dia dos namorados (que não seja o Vini - melhor amigo), ganhar e dar presente de dia das crianças, tirar férias, gastar aquela puta grana em alguma coisa que realmente valha, dizer eu te amo mais vezes para a família, não mentir, apenas omitir e por fim, passar o natal com a família e namorado e viajar no ano novo.

Para 2010, ainda pretendo: tirar a carteira de motorista, ganhar muita grana, ganhar na mega-sena, arranjar um namorado com quem eu consiga passar mais de três meses juntos, não passar o aniversário sozinha (isso eu não quero nunca!), viajar no carnaval (novamente!), ter alguém pra compartilhar o dia dos namorados (que não seja o Vini - melhor amigo), ganhar e dar presente de dia das crianças, gastar aquela puta grana em alguma coisa que realmente valha, dizer eu te amo mais vezes para a família, não mentir, apenas omitir e por fim, passar o natal com a família e namorado e viajar no ano novo.

Pra ser sincera, não sei porque existe essa palhaçada toda, afinal é raríssimo realmente acontecer aquilo que você escreve no papel. Pode ver que sou exemplo vivo, há anos (antes até de 2009) que "solicito" um namorado para minha lista e até hoje nada. Mas, acho que o que vale mesmo é você se arriscar a escrever um monte de coisa que deseja em um papel e tentar realizá-las aos poucos.

Este é meu último post do ano e eu praticamente o esqueci. Estava há pouco no banho e recordei desse espaço no qual "ganhei" um monte de pessoas legais em um ano que o mundo perdeu um monte de pessoas legais. Acredito que a última - porém não menos importante resolução de ano novo que desejo agora é não me esquecer desse espaço nunca, e poder, em 2010, conhecer cada um desses que pra mim já fazem parte do meu mundo.

E acaba logo 2009!

domingo, 20 de dezembro de 2009

A hora da Estrela

Sexta feira estava me sentindo bem sem motivos aparentes. Nada especial havia acontecido ou estava por acontecer, eu apenas estava me sentindo bem, leve, com vontade de viver e ansioso por ver alguns amigos, beber um pouco, jogar conversa fora. Parece tolo eu escrever isso, mas acontece que raramente tenho me sentido bem assim, satisfeito comigo mesmo... por isso achei importante destacar esse sentimento inesperado.

Encontrei alguns amigos e bebemos, conversamos, rimos.

Na volta para casa, umas três horas da madrugada, eu ainda me sentia bem, mas agora potencializado pelo bem estar da leve embriagues e de uma música boa que dava loopings na minha cabeça. Antes de entrar em casa resolvi olhar para o céu, eu sentia que poderia ver Deus se olhasse naquele momento.

Silêncio.

Percebi que há muito tempo eu não parava para contemplar o céu. As poucas estrelas que habitam o céu de São Paulo estavam lá, se esforçando para nos dar um pouco de seu brilho através da fumaça e de toda a luz da cidade, constelações a distâncias que mal podemos compreender... gigantes que, por algum motivo milagroso, emitem sua própria luz, fazendo um espetáculo celestial sobre nossas cabeças, de graça, para sempre.

Pensei, "Esse é a razão de eu existir, estar vivo e ser consciente: contemplar estrelas".

De repente as estrelas pareceram tão impossíveis para mim. Como mitos e folclores, habitantes de contos de fadas e histórias fantasiosas, não da realidade a que eu pertenço. Estrelas brilhando no céu... devo estar enlouquecendo. Se elas existissem, certamente as pessoas as notariam.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Até que posso, mas não vou não

Podia falar da ansiedade de estar com amigos mais que extraordinários no fim de ano
Posso? posso, mas não vou
Podia falar da alegria que é não ter aula amanhã e assim poder ir com o porco do Eric no forró
Posso mesmo? posso, mas não vou
Podia falar então dá vontade de espremer a Letícia no natal e saber das suas novas
Posso? de verdade? posso, mas não vou também
Podia falar da alegria que foi conhecer Claitão e Rafa esse ano
Ah pronto! posso também? posso, mas nem vou viu
Podia falar do quanto meu Pai é grande, em todos os sentidos
Posso essa também? sério? puta que pariu!, mas não vou não
Podia enfim falar de você, falar pra você
Posso né? lógico que posso, mas não vou também
Eu vou é cantar

LÁLÁLÁLÁLÁLÁLÁLÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁ!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

De ver e sentir

- Você comprou um livro infanto-juvenil?

Comprei. E foi um dinheiro tão bem investido, como há muito eu não investia. Finalmente li o que a Tatiana, a outra, a Belinky, já disse. Descobri muitas coisas pelos olhos puxados dela. Balancei a cabeça sorrindo. Pensei se as histórias eram reais, ou fruto da imaginação. Pensei nela, nessa velhinha fudidona, de olhinhos puxados e mãozinha no queixo, nessa avó, na mulher que se resfria, na moça que viveu num tempo tão diferente do meu, na criança russa encantada por bananas. Eu me reconheci, ou pelo menos procurei me reconhecer, como sempre faço com mulheres especialmente admiráveis. Senti um orgulho danado de ter o mesmo nome dela. Lembrei que meu nome é russo, como a nacionalidade dessa escritora, que fala quatro línguas, mas é no português que vive, pensa, escreve e fala. E é no português que ela me fez conhecer um pedaço do mundo através dos seus olhos.
Obrigada por me fazer conhecê-la.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

O que vou pedir ao Papai Noel?

Tava pensando nisso nessa noite.

Caso eu encontrasse aquele porco capitalista o que eu pediria?

Lembrei de todas as coisas que ganhei de Natal, o quanto era broxante aquela história de 1 presente vale por 2 (aniversário e natal) e cheguei a conclusão que gostaria de ganhar a alteração na data do Natal, poderia ser Agosto.

Dessa forma eu ganharia 2 presentes.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

domingo, 13 de dezembro de 2009

Sessão sofá


Ele nunca tinha ido ao cinema, mas tinha visto muitos filmes em preto e branco na tevê. Tudo girava em botões, sem vestígios de controles-remotos. O gato da casa gostava de dormir ronronando no calor do teto da tevê de válvula, edifícios iluminados dentro da caixa de madeira. Na tela, o mar vermelho se abria deixando passar os fiéis do deserto, com o faraó correndo em bigas, para naufragar quando Moisés descesse seu cajado a mando do Senhor. O cinema, para ele, era o sagrado: Jesus suspenso na cruz ressuscitando ao terceiro dia; Sansão tosado derrubando colunas; Lúcia, Jacinta e Francisco ante o fulgor da virgem de Fátima. O cinema era seu evangelho. As mil possibilidades nas chagas abertas do Cristo, muito antes de 2001, de A guerra do fogo, a metafísica de Solaris. O cinema era sua descida ao inferno. Rezava, herege, para que a professora morresse para não perder a reprise de Fúria de titãs; Simbad, o marujo, Jasão e o velocino de ouro e o tosco vôo de Aladin. Os mesmos filmes exaustivamente repetidos na Sessão da tarde, vistos como se da primeira vez.

sábado, 12 de dezembro de 2009

Por favor, próximo dia 12.

.
E assim... já em 12 de dezembro, apenas meu corpo permanece em 2009.
.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Fundação. Ou memória.


Era o primeiro dia de aula da quinta série. Português. A professora perguntou quem é que se lembrava da primeira palavra que procurou no dicionário. Ele respondeu: alicerce. Ela não se lembrava da sua, mas ficou com antipatia daquele menino de rosto quadrado, óculos redondos, e jeitinho de CDF.
Vinte anos depois, ela ainda se lembrava. Ele não.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Casa: um substantivo abstrato

Na sala, cortinas cor salmão que acumularam pó durante um semestre, enquanto esse apartamento de esquina esperasse para dividir o papel do contrato com o número do meu passaporte. Cadeiras desconfortáveis, uma mesa de centro que não combina com a de jantar e um lustre horroroso, mas digno do Palácio de Versailles quando comparado ao do quarto.

O colchão é mais duro que tijolo e não sei como podem as formigas subirem dezessete andares por dentro das paredes até chegar à cozinha. Mas o banheiro está sempre tão limpo que me sinto em Hogwarts. Uma Hermione provocada pela umidade trópica que se enreda nos meus cabelos assimétricos e, agora, anti-gravitacionais.

Durmo só com um lençol e sem meias em cima do colchão sem cama. Passo a noite toda presa naquele limite entre o frio e o conforto e acabo sonhando com narrações machadianas sobre a morte em vida até que a manhã me traz o salvo-conduto para vestir sapatos e uma blusa.

Minhas costas doem eternamente porque as malas são sempre mais pesadas do que deveriam. Um cachecol extra, uma troca de roupa de emergência, o presente coringa e um par de tênis caso o pé reclame em forma de bolha. Todos itens inúteis, porque cachecol só é preciso um, as peças de roupa não combinam entre si, o presente derrete esquecido dentro de um bolso e não há tênis que cale uma bolha bem formada.

Me enfiam em um ônibus, um carro, um bar, um avião, outro avião e perco a minha bússola. E então corro para voar sem saber aonde vou. Avisaria quando eu volto, mas não sei de onde saí. Meu laptop não quer conhecer mais novas redes sem fio e definitivamente não nasceu para o cabo encapado em azul.

Estamos eu e ele fartos dessa condição, mas cientes da inexistência de alternativas. Assim como os brasileiros não têm alternativa à desigualdade e os espanhóis não podem fugir do desemprego, nós também seguiremos carregando a casa nas costas. Nos três casos, a solução demanda subverter o sistema e, convenhamos, nenhum de nós tem coragem para tanto.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Era uma vez uma terra afastada e um tanto engraçada: um país que também era ilha, que também era continente. Era uma vez uma terra engraçada que servia de morada a fugitivos vindos do oriente e do ocidente. Nessa terra misturada, todo dia era temporada e toda hora, ilimitada. Acontece que, a terra ilimitada agregava em seus múltiplos uma unidade: todos os que ali se encontravam dividiam o desejo singular de descobrir, de transformar, de recriar. Disto podia se supor o fato de que dividiam também a coragem. É que haviam de se dispor a por tudo a perder, a se desfazer, se esvaziar; haviam de aceitar o inesperado. Vitória queria sentir, Rodrigo queria acreditar, Maria queria uma família, Miriam queria dividir, Meiri queria se libertar. Paulo buscava uma aventura. Miriam conheceu Maria, que conheceu Vitória, que conheceu Rodrigo, que conheceu Meiri, que conheceu Paulo. Vitória se apaixonou, Rodrigo acreditou, Maria encontrou Deus, Mirian entendeu novas possibilidades, Meiri saltou de pára-quedas. Paulo virou pai.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Sobre você no hospital, ás 20:48.

a palavra não é querer
é precisar

me livrar
desse medo de te perder
de repente
poupar sentimento

- mesmo quando dentro de mim
bagunça aquela
ideia fixa
(a falta de acento
me faz pronunciar rígida
como não fosse rigidez a)
morte

o silêncio você rompe
você tem cheiro de fumaça
desperto
eu sei
cigarros são instantes
away from you
mas digo
eu tenho cheiro de fumaça

agora
emergência
seu traje branco
e as paredes
obrigam a calma

quando me desejam
trágica
- ardentemente trágica

porque não basta o dentro
deve haver lágrimas
muitas
mas para eles
você entende
sempre para eles.

preciso lamber meus filhos
antes que seja tarde, mãe.

(antes que seja tarde,
preciso lambê-los.)

domingo, 6 de dezembro de 2009

(des) costume do (des) apego

Não tenho a certeza de um sábio, tampouco a constância do amanhecer/anoitecer.
Não tenho lápis e papéis mágicos que levem a você umas linhas tortas, escrito: papai, eu te amo. Mas eu sinto, sempre.
Não tenho a forma mais branda para sanar a falta, mas tenho aquela que zela por mim desde o primeiro segundo de vida.
Não tenho ideia do tempo que resta. Não sei o que teu peito sentiu, nem consigo imaginar.
Teus olhos conversaram comigo em segundos cruciais. Minha mente sabia o que viria, meu coração se negava acreditar. Ele me empurrava a te encorajar, enquanto quieta, no silêncio e no escuro eu desabava mais um pouco.
Reaprender com a falta é um começo infortúnio e tolo. Doses diárias de desapego, incertezas, saudades e vontades súbitas de abandonar as horas.
O porto seguro desfez-se num tempo muito curto. Era hora de o barco zarpar? Era hora de eu ouvir adeus?
Das perguntas que estouram constantemente entre meus soluços, fico com a sensação de perda. Só ela acorda e dorme comigo todos os dias.

dcm

*isso estava guardado, selado, embalado pela minha dor, mas resolvi dividir para ir, aos poucos, me dando conta que agora, daqui para frente, assim será.
saudade é algo que não se calcula, não se explica e nem se tira, acostuma-se. Cá estou para aprender a me acostumar.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

todo dia no ônibus.


sempre naquela curva à direita, ela marcava com o dedo a página do livro e erguia a cabeça, olhando do seu lado direito e sentindo no rosto o vento quente. naquela descida o motorista pirava sempre e ia à toda. ela, sacolejando violentamente, imaginava à cada esquina um acidente, seu corpo sentindo o bruto impacto, a inconsciência, a morte não. dela, ele sentia um medo que não se diz. e depois sorria. sorria boba por ter aquela uma aventura. no fim da descida, depois da curva à esquerda, ela não voltava logo ao livro, e ia olhando as cenas nas ruas, pensando e sentindo tudo como estrangeira, como todo dia. num lance, virava-se prá dentro e sorria prá passageira ao lado. sem sorriso de volta, voltava ao livro.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Minha breve vida futebolística

Eu não me lembro quando deixei de torcer pro Flamengo, mas acho que o Romário ainda estava por lá. Começou a não fazer muito sentido torcer para um time do Rio, comigo tão longe, no interior de Minas. E futebol, poxa, era preciso ser realista, eu não entendo nada de futebol, então pra que torcer?
Foi assim que a camisa que meu pai me deu acabou perdida em algum lugar do armário, e o Flamengo começou a ser só um motivo pra fazer piada. Walter Minhoca, isso é nome de jogador, Pai? Ganhou a Taça Guanabara, quem se importa? Pai, andei pensando, acho que vou torcer pro Vasco. O que você acha?
De fato, acho linda a camisa do Vasco, mas falava só pra fazer um terrorismo com meu pai, pois cara de desapontamento dele era impagável. E segui assim, cada vez mais distante.

...

Em 2007, um curto período que estive em São Paulo, comovida com a alegria dos corinthianos em uma final do campeonato, fiquei com vontade de ter um time novamente. Passava na frente das casas do Tatuapé e estavam enfeitadas, com comidas, bebidas, pessoas animadas. Até telão alugavam. Ah, futebol é bonito, quero torcer também. Mas qual? Flamengo não, muito decadente o futebol carioca (Desculpa, pai). Queria um de São Paulo, já que eu estava lá. Resolvi torcer pro Portuguesa, pois acho que sei lá, tem um certo charme.
Meu amigo Emerson resolveu me ajudar e começou a contar histórias da Lusinha. Lusinha, que Lusinha, Emerson? Marcela, você não sabe que o apelido da Portuguesa é Lusinha? Óbvio que eu não sabia. Ah, deixa pra lá, você não merece ser torcedora. Concordei, melhor deixar pra lá.

...

Cansada de ser deixada de lado nas noites de quarta e nas tardes de domingo, comecei a sonhar com o dia que encontraria um homem que não gostasse de futebol. Não é uma tarefa fácil, mas uma vida sem programas de mesa redonda me parecia muito tentadora.
Conversando com a Letícia, descubro que o namorado dela não gosta. Que sorte, pensei. Mas ela gosta, e agora? Sim, o mundo é injusto.
Mais tarde lembrei que já tido sim um namorado que não gostava de futebol, e não era legal. E se tivéssemos filhos? Quem levaria o menino pra ver os jogos? Quem iria levar no parque pra bater uma bola? Eu não quero que meu filho seja o esquisitão da sala. Só vou ter filhos com quem goste de futebol. Está decidido! E tem outra, ser trocada por futebol é melhor que ser trocada por um jogo de rpg. Acredite.

...

Já esse ano a coisa ficou diferente, né? Como ignorar o Brasileirão? Até minha avô deve estar acompanhando! Você abre o jornal e só se fala disso. E agora eu ainda tenho um namorado flamenguista, trabalho com um garçon flamenguista, é só flamengo, flamengo. É um clima de euforia tão grande, que fico com dó de ser contra. Até incomendei uma camisa nova pro meu pai. E ah, já que até o juiz do jogo de domingo passado era flamengo, quem sou eu pra não ser?


p.s: se você ainda sonha com um homem que não sabe o que é um tiro de meta, fica a dica @adrianosv

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

hedonista

.
.
Quero que dezembro passe rápido.
Que janeiro passe devagar.
Que fevereiro seja quente, mas com bastante vento.
Que mais fotos sejam tiradas.
Que o trabalho seja menos maçante.
Que os livros fiquem menos na estante.
Que as passatempos e trakinas sejam substituídas por maçãs e bananas.
Que a paciência aumente.
Que a gente dance mais.
E que dance sempre.


.
.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

se ao menos eu estivesse com meu livro o tempo passaria mais rápido

desde o momento em que acordei, percebi que faria tudo errado. o próprio fato de acordar, talvez, teria sido o principal erro naquele domingo, 23 de agosto de 2009, 11h35, 19º com chuva e céu parcialmente nublado na região sudeste do país. e daí que chove? aqui em são paulo só chove. porque as pessoas reclamam tanto da chuva? do trânsito? da poluição? mudem-se daqui os que reclamam. mudem-se ou morram.

segunda. se ao menos eu estivesse com meu livro o tempo passaria mais rápido. já faz horas que acordei mas o relógio insiste em dizer que não, que ainda são 11h59. daqui a um minuto é meio-dia e meio-dia jogado fora, lógico. um otimista me diria, calma, você ainda tem a outra metade do dia pra fazer algo que seja útil. eu responderia por que você não pega a utilidade do meu dia e coloca n... "preencha a lacuna com seu oríficio preferido" (__________).

o último metrô. eu sempre pego o último metrô pois é lá que estão os que mentem. ah querida, fiquei até mais tarde no escritório, sabe como é... fechamento! (anrran...). oi mãe, é que fiquei estudando com a turma depois da aula, sabe como é... fuvest! (sei...). então amado, hoje é terça, dia de rodízio, então aproveitei pra dar uma passada na mamãe, sabe como é... idosa! (ahh tá...).

quarta quarta do mês. a última. sempre.

não é sempre que a gente encontra um ator de cinema na rua. será que ele topa tirar uma foto comigo? um autógrafo, um beijo, quem sabe? melhor não. é quinta-feira de manhã e um ator não gostaria de ser incomodado numa quinta de manhã. e outra: eu não acredito em atores. pra mim, eles estão sempre atuando, seja lá o que estão fazendo, mas estão sempre atuando. mas e nós, não?

a gente ama o que precisa, ama o que faz sentir bem, ama o que é conveniente. como pode dizer que ama uma pessoa quando há dez mil outras no mundo que você amaria mais se conhecesse? mas a gente nunca conhece. quem escreveu isso? chaplin, caetano veloso, janis joplin, bukowski? que importa? hoje é sexta e sexta não é dia de relativizar o amor.

eu nunca dei a mínima pra você e não devo pedir desculpas por isso. o máximo que posso fazer é agradecer pela tua ausência. não ter você por perto fez com que eu olhasse melhor pra mim. e só pra mim. agora - por favor - pega suas coisas e vá embora. deixe apenas o restinho da minha da tua hipocrisia que é pra eu usar de máscara no próximo baile. e corre pra pegar o trem porque amanhã já é domingo.

se ao menos eu estivesse com meu livro o tempo passaria mais rápido.
.
.
.

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Inimigos íntimos

“Aquele que luta contra nós fortalece nossos nervos e aprimora nossas qualidades. Nosso antagonista trabalha por nós.”
Edmund Burke

“Por que você não olha p/ o espelho e se suicida?”, me recomendou alguém há algum tempo no blog. “Você é fútil e só sabe usar o ctrl c + ctrl v”, disse outro comentarista arguto (sem rimas e trocadilhos, por favor). Para esses franco-atiradores, não importa o assunto abordado no post. Crentes até a medula em certas ideias isoladas de Maquiavel, o que vale é a sensação de alívio após desferir o tiro. O caráter aparentemente transgressor parece catapultar o ato um tanto covarde ao pódio dos feitos intimoratos; a adrenalina de correr riscos de o locatário do espaço revidar o ataque e, assim, notar sua existência, deixa a aventura ainda mais excitante.

O anonimato na blogosfera tem mão dupla. Ao mesmo tempo que preserva a pessoa de ser alvo de contra-ataques diretos, também não permite receber medalhas no peito. A máxima referência conquistada são essas palavras batucadas despretensiosamente, numa espécie de “monumento ao franco-atirador desconhecido”.

Como acontece tanto nas tramas folhetinescas como nos grandes romances, na área de comentários os escrevinhadores falam mais de si mesmos do que do assunto abordado. Ao clicar “publicar”, o post não mais pertence ao blogueiro. Cada leitor vai (re)agir conforme seu repertório de convicções. Quando os belicosos assestam suas armas e regurgitam impropérios, as palavras revelam medos, mágoas e outros sentimentos que geralmente permanecem trancafiados em lugares esconsos da alma. Infelizmente, a catarse verborrágica não tem efeito terapêutico e as neuras continuarão sendo companhia permanente.

Seleciono com cuidado as palavras para não transmitir a ideia falsa de que ajambro essa reflexão para revidar “ataques”. Da mesquinhez e da necessidade de vencer até embates contra os sobrinhos no videogame, quero distância. Sou testemunha de quão bem esses princípios funcionam. Abrir mão de “ter razão” num conflito deixa o caminho livre para recompensas mais duradouras do que vencer a discussão. “Perde-se” a briga, mas a paz preenche o espaço que antes era ocupado por conquistas muitas vezes obtidas às custas de feridas naqueles que ousaram se interpor em nosso caminho.

O psiquiatra suíço Paul Tournier desnuda em caráter definitivo internautas e blogueiros monotônicos: “Combatemos o que sabemos que exerce grande domínio sobre nós. Quanto mais medo tivermos, mais autoritário e arrogante nos mostraremos”. Quanto mais potentes as lentes, mais detalhes são expostos. Contudo, esse tipo de strip-tease só tem valor se provocar empatia e diminuir as distâncias.

O final de ano é a época ideal para esvaziar gavetas, sejam elas físicas ou mentais. Sambistas de uma nota só podem (e devem) enriquecer o discurso em 2010. É tempo de baixar a guarda e abrir as portas do coração. Sei que isso soa piegas, mas a paixão sempre perde intensidade quando submetida às rédeas da razão.

Como nos alerta Nilton Bonder, “o adversário está mais nos próprios impulsos do que no outro”. E o rabino continua: “Já que o inimigo mora do lado de dentro, a ausência de paredes é, ao contrário de uma ameaça, a própria esperança”. Se ele vai ocupar sua cama durante o próximo período, que ao menos proporcione momentos de prazer que só a verdadeira intimidade pode dar.

Inspirados pelo filósofo Zina, a hora é de cair pra dentro, fórmula perfeita para quem deseja brilhar muito no ano que vai nascer. Eu topo. Por que não? =)

domingo, 29 de novembro de 2009

Ontem lembrei da primeira vez em que te vi

A sensação de sempre. De achar que posso encontrá-lo na multidão. Não que esteja à procura de alguém igual, mas a sensação contínua de qualquer momento fixar os olhos, como à primeira vez em que te vi. Não vai lembrar, tenho certeza disso. E ontem um homem de sua estatura, imitava seus gestos. Colocava às mãos atrás da cabeça, fazendo ar de inquietude ou desdém.Estava de costas, meus olhos fixos nos braços, nas mãos, na cabeça, tentava identificar qualquer detalhe. Estava longe, e de costas, era difícil reparar nos detalhes. Não conseguia tirar os olhos do homem, e pensava será que é ele? Mas o que estaria fazendo aquela hora?Chegando perto, descobri que não era você.

Lembrei de uma noite fria e chuvosa, estava saindo tarde, fora do horário de costume. Olhava da janela, aos poucos cessava o temporal. E descendo as escadas,parou. Ficou de frente para a porta.Sentiu as mãos suar tanto que mal podia segurar o guarda chuva, um frio na espinha, um vai e vem pelo corpo,coração disparado, alguém sentado olhando a chuva passar.Mas tão parecido, que fez com que ficasse parada olhando por alguns segundos praticamente imóvel. Não pode ser ele, estou vendo coisas? Já aconteceu tantas vezes, errante no identificar, eram retratos falsos, fruto de uma saudade sem fim. A certeza que o estava procurando, tentando achá-lo em outros. Então, abriu o guarda-chuva e foi embora. Um pouco nervosa consigo, se perguntava até quando ficaria deste jeito. Já se passava meses desde então e estava na hora de esquecê-lo.

E lembrei daquela triste noite. Num corredor, várias pessoas, indo e vindo. De longe coração saltado.Nossa é ele!Sensações diversas, tudo ao mesmo tempo, no mesmo segundo. Depois de tanto tempo, meses e meses a fio.E lá estava, era você, tão real, tão vivo, do mesmo jeito, ainda mais bonito.E triste sensação de nenhuma palavra, nem - oi.? Não sei explicar o que senti, era alegria de rever e tristeza por nada ouvir.Depois daquele dia, percebi a grande ilusão, momento certo para esquecê-lo de uma vez.

Tentou. Forçava flertes na menor oportunidade, tentava se convencer dos detalhes que este ou àquele tinha diferente dele, no esforço de arrancá-lo de seus pensamentos. Não adiantou, não encontrava aquele desejo no olhar, aquela vontade louca de fragmentar o corpo, forçar suspiros, boca entreaberta, seca de alguém que chegasse perto do que foi com você. Doce ilusão, quanto mais tentava, mais se decepcionava. Resolveu fugir. Dando às costas a qualquer informação. ficou triste. chorou. Percebeu que a indiferença trazia (ainda mais) sofrimento, é uma mentira a si mesmo, que é o melhor jeito de esquecê-lo. Grande engano! Grande erro.O bem e a diferença que ele faz em seus dias supera a tristeza, a frustração do desencontro, e mesmo sem tocá-lo, sem tê-lo restando a doce inveja de quem o fez. É embebedação de espírito ansioso, devaneios e anseios de anos? Já perdeu a conta de quantas vezes se pergunta isto. E hoje mais uma vez o procurei, no rapaz encostado na parede com camiseta azul marinho, calça preta, mas este parecia mesmo. Um pouco mais alto é verdade, mas a boca, a sobrancelha e às mãos eram quase idênticas. Se ao menos tivesse o olhar? Mas nada. era muito fulgás.

E ontem à noite em vão tentava dormir, rolando de um lado para o outro da cama, lembrou do primeiro dia. Ele estava atrasado, esbaforido, apresentação rápida, naquela noite feliz. E naquele instante era fechar os olhos que o tocava, o beijava e até sentia suas mãos mexendo no meu cabelo...e sei, havia bastante gente ali, mas para mim, era só eu e você e mesmo se tivesse um muro, um vidro qualquer coisa, conseguiria tocá-lo.Seria uma explicação para tantos olhares.
Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata!
.
( Carlos Drummond de Andrade )

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

E agora Nelsinho?




Qual será o futuro do Nelsinho depois da confusão toda que ele aprontou na F1?
Se você fosse responsável pelo marketing de um empresa, patrocinaria o Nelsinho?

Será que o pai dele vai comprar uma equipe?

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Caríssimos e caríssimas, hoje infelizmente não vou dar continuidade à séria série da fórmula 1 pois interrompo esta programção para avisar ao mundo que às 12:15hs deste dia 26/11 veio ao mundo a pequena Camilinha, linda (paizão coruja!), com 3030g e medindo 49cm, medidas de modelo, diga-se de passagem!!
Só pra não passar em branco, seguem umas fotos da viagem de San Francisco do mês passado.

[ ]'s
Valeu galera, espero que curtam as fotos!



O céu sobre a Califórnia:

















Ilha de Alcatraz.













As montanhas geladas do Deserto de Nevada.
























Golden Gate Bridge ao entradecer.



terça-feira, 24 de novembro de 2009

Todas as histórias em uma

Ela não acreditava mais na sinceridade das pessoas...




Não acreditava mais na pureza de um simples gesto...



Não acreditava mais na força do olhar...




Não acreditava mais na espontaneidade...




Não acreditava mais na salvação...




Não acreditava mais na mudança...




Até o inesperado lhe surpreender!


.
.
.

E ela perceber que é possível...

...tornar a vida mais literal!

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

História sobre a cegueira

Corria pelo centro de SP, atrasada, quando vi uma cega parada no meio da multidão. Posso ser paulistana mas tenho compaixão, me aproximei e perguntei se ela queria ajuda. Ela simplesmente respondeu:
- Estou bem, só estou ouvindo a música.
Foi então que eu percebi um lindo som de violino. Procurei em volta e vi numa sacada de um prédio antigo um homem tocando. Passava por ali todos os dias, nunca o tinha visto, nem ouvido sua música.
Eu e aquela cega éramos as únicas pessoas no meio daquela multidão que o estávamos "vendo".
Quantas coisas lindas e gostosas a gente deixa de ver/ouvir/sentir/cheirar todos os dias?

Essa é a hora de sentir-se bem

domingo, 22 de novembro de 2009

O caso UNIBAN

Uma "brincadeira séria" com o acontecimento. Só porque ele gerou polêmica, foi tratado de forma ridícula e a tal da Geisy, além de ser convidada para posar nua, já apareceu no programa global Casseta & Planeta.

Do blog do ANTONIO PRATA, cronista do Estadão.
11.11.2009 / Seção: Papéis avulsos 12:09:25.


O leitor Eurípedes Paranhos, do Jardim Áustria, São Paulo, pede-me que publique sua carta. Como acredito que esse blog deve ser um espaço de pluralismo e tolerância, aqui vai ela. Cortei apenas palavras de baixo calão e os trechos que incitavam mais diretamente ao apedrejamento de adúlteras e a extirpação de clitóris. O resto, vai como recebi.

A carta chegou anteontem, antes que os jornais publicassem o recuo da UNIBAN da decisão de expulsar a aluna e antes que se soubesse que o Suplicy iria dar uma palestra na supracitada universidade. O leitor Eurípedes deve estar contrariado com os últimos ocorridos. Caso me escreva novamente, prometo publicar aqui suas opiniões.

"O senhor e a senhora, que pagam seus impostos e rezam suas Ave Marias, que estão em dia com o fisco, com Deus e com vossas consciências, devem ter ficado tão estarrecidos quanto eu, diante do caso ocorrido na UNIBAN. Por isso venho a público, prestar meu apoio àquela nobre instituição de ensino, vítima de um linchamento covarde, acuada numa sala de aula por mais de seiscentos jornais, revistas e canais de televisão que, brandindo gravadores, câmeras e celulares, ameaçam violentar o que ela tem de mais sagrado: sua reputação.

Eu já nutria simpatia pela UNIBAN mesmo antes do caso da garota Geisy, quando pouco sabia sobre a universidade. É que gosto de tudo o que acaba em BAN. O Taleban, por exemplo. Comete certos excessos? Sim, comete, mas não se pode negar que acabou com a pornografia, a televisão, o batom, o comunismo e o chiclete, lá no Paquistão. A OBAN: torturava? Torturava. Mas se não fossem eles, queria ver que que os baderneiros tinham feito desse país. Por último, o Bambam, aquele garotinho dos Flintstons, que se veste com pele de leopardo e anda com uma clava, treinando desde cedo para tratar as mulheres como merecem.

E como merece ser tratada a mocinha que vai à universidade com um vestido um palmo abaixo das nádegas?! Ora! Alguém que sobe as rampas mostrando as coxas aos alunos de engenharia quer o que? Quer dar! Quer dar! Onde já se viu, meu senhor, minha senhora?! Um mundo onde as mulheres saem por aí exibindo seus desejos não tardará em se transformar num mundo em que homossexuais do mesmo sexo poderão casar e adotar crianças! Em que a maconha será discriminada! Em que Deus, a Família e a Tradição evaporarão como água na panela.

Alguém tinha que tomar uma atitude, e a UNIBAN tomou, o que não deixa de ser um alívio, num momento crítico de nosso país, quando um nordestino analfabeto e cafona está na presidência da república e corremos o risco de ter uma bugra, ex-empregada doméstica, subindo a rampa do Alvorada - justo nesta hora em que todos os olhos do mundo estão sobre nós, por conta da Copa e das Olimpíadas!

Ainda bem que existem instituições sérias como a UNIBAN, que, como boa universidade, sabe que há o certo, o errado e que isso não se discute. Sabe que cada coisa tem que ser feita em seu devido lugar, e faculdade é lugar de ler, de escrever e, no máximo, acuar uma garota de vinte anos numa sala e ameaçar estuprá-la.

Não que eu concorde que essa tenha sido a melhor saída para ensinar a Geisy a respeitar os bons costumes, mas, veja bem, os jovens cometem seus excessos. Eu, por exemplo, quando tinha meus dezoito anos, ia na avenida do jóquei dar tiro de paintball e jogar ovo podre em travestis. Mas era na avenida do jóquei, não na faculdade, e eles eram travestis, não gente normal, de modo que nem sei porque estou contando isso.

Enfim, vai aqui minha solidariedade à UNIBAN. E saibam todos os que lerem esta carta que o dia em que não houver mais pessoas ou organizações idôneas lutando pela moral e os bons costumes, não hesitarei em tomar as ruas, brandindo minha clava, meu celular ou minha espingarda de paintball, que deve estar em algum lugar, no socavão, atrás das revistas pornográficas e das luzinhas de natal.

Grande abraço,
E. Paranhos"


_____________________________________________________________________________________


Alguns comentários dos leitores superam o inteligentíssimo sarcasmo do cronista:

_____________________________________________________________________________________

Daniela:
Meu Deus do céu! Tô bege. Que pessoa sem noção.
Eu teria vergonha de ser da família desse aí.

Aninha:
Não dá pra lver a sério um cara burro, grosso e preconceituoso como esse, né? Tô passada com tamanha estupidez! Não consegui ler tudo... não carece, nem faz bem ler um troço desses. Então é esse o tipo de gente que simpatiza com a tal UNIBAN??? Tá explicado.

Carolina:
É por conta de textos e opiniões como as citadas acima que eu acredito que ao invés de progredir, nós estamos regredindo! Daqui a pouco voltaremos para o tempo da "Inquisição". E há quem diga que esta é uma opinião arrazoada.

Inconformado:
Esse "Eurípedes" é um burro, ingnorante, racista, machista... deve ser um cérebro idoso e regressado se não parado no tempo, um verdadeiro imbecíl...

Po Prata, você não precisava publicar isso... tu é inteligente, tem muitas informações maravilhosas para colaborar com a cultura e evolução do cidadão, mas desta vez...

Eurípedes vai pra PQP!!!

_____________________________________________________________________________________

Hahaha!

sábado, 21 de novembro de 2009

estradiol hiperbólico


começo:
Já cansada de buscar aprovação,

meio:
ligou o foda-se no nível mais alto que pôde

fim:
e seguiu.


sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Falta...

... de criatividade, bloqueio mental, preguiça, frescura... sei lá como chamar isso. Só sei que faltou. Talvez pela ansiedade de ver o dia 20 chegando. O que fazer agora que estou na última hora?

Vou improvisar, deixa eu ver o que tem no maleiro do meu guarda-roupas. (voltei) Peguei alguns objetos que me trouxeram lembranças imediatas e que estavam alí esquecidos. Alguns a mais, outros a menos tempo.




Objeto 1: Livro de Jack Kerouak (Diário de). Cobre um período de 1947 até 1954. Não é só um diário, é uma coletânea de anotações de viagens, ideias, rascunhos e também diário. Não lembro se o comprei, ganhei ou roubei, mas lembro que fiquei um tanto desconfortável em ler coisas que talvez ele não quisesse que ninguém ficasse sabendo, mas com o tempo comecei a delirar e me deixar influenciar até me ver tentando escrever no ritmo do jazz e enquanto tomava franol (só esqueci de ser um Jack Kerouak). Mas valeu. É um dos meus livros prediletos e me trouxe muitas ideias que carrego até hoje.

Obejeto 2: CD Innuendo (Queen - 1991). Foi um dos primeiros albuns completos que escutei dessa banda. O Canto do Cisne do Queen é belo e triste. Da pra sentir o suor e sangue da banda no empenho de fazer um trabalho perfeito. Acho que gosto mais dele do que A Night At the Opera, clássico de 1975, se não me engano. Coloquei ele aqui no player para ouvir e tinha esquecido como é espantoso ouvir Queen, parece que a música deles não foi feita por humanos, mas por anjos ou algo assim.

Objeto 3: Celular ZTE Vivo. Foi o primeiro celular que comprei e durou exatamente um dia. Fui para um sítio comemorar o aniversário de um amigo e alguém teve a grande ideia de me jogar na represa. Nunca mais funcionou, mas não sei porque o guardo até hoje. Ele estava mal guardado e caiu na minha cabeça assim que abri a porta, talvez ele queira me dizer algo... quem sabe que ainda está vivo, será?

Objeto 4: Nikon FM 10 - Analógica, empoeirada e com lente 35~70 mm. Minha grande companheira há muito esquecida. Vou comprar um filme já e fazer umas fotos com ela =D.

Objetos 5 e 6: Dois ingressos de eventos que me trouxeram de volta à vida: Radiohead e Fuerza Bruta. Rapaz, tive que me render ao espetáculo dos argentinos, que me levaram ao transe total. Já Radiohead não preciso nem dizer, ainda hoje sinto os efeitos alucinógenos daquele dia. Sei que o .lucas tava lá também e não vai me deixar mentir.

Abraços!

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Foi a primeira (5º) vez que Zé pôde tolerar

Ninguém tem que se foder. Ô desejo nojento esse de se ter. Uns três meses atrás estava eu e Juca conversando quando Zé chegou. Bêbado, sujo, barbudo e chorando. Zé é mais velho que eu, amigo de infância do Juca. Juca acalmou o Zé.
Zé contou que seria a última vez que veriamos ele naquele estado, dia seguinte estaria internado.
Basta, ele disse. O quinto basta, segundo Juca. Vai na fé Zé, dissemos, e Zé se foi. De moleque nunca entendi o porque de querer que o outro se fodesse.
Hoje entendo, que pena. Coisa fácil é alimentar raiva, preguiça, é perder paciência e julgar de prima.
Na ida pro curso vi o Zé sentado na calçada da padaria.
Bêbado, sujo e barbudo. Não chorava. Já é alguma coisa, ou não.
Zé deve inventar novos prazeres. Invente, Zé. Dê um basta. O sexto basta.
Ninguém tem que se foder, Zé.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Semelhanças entre as máquinas e o amor

Acreditei recentemente que uma conspiração tecnológica estava a me assombrar. Pifou tanta coisa de uma só vez, foi tamanho o piti coletivo das minhas máquinas que levei a sério o que disse a 21: a tecnologia é a ruína da sociedade. E arruinados estamos nós, mortais, cada vez mais dependentes dela.
Você sabe que a máquina – qualquer uma delas - há de estragar um dia, mas, inexplicavelmente, você confia dados, relatórios, monografias, nomes e telefones, projetos de vida e textos únicos, escritos em momentos de inspiração da madrugada, àquela memória impalpável que um dia pode simplesmente ter uma pane e acusar: empty. Você sabe, mas mesmo assim compra, grava, usa, porque você é vencido pelas facilidades da vida moderna.
Assim é mesmo com o amor. Você sabe, ah, sabe, que um dia o relacionamento vai estragar e pode não demorar muito para você se encontrar com os olhos vermelhos diante de um bolo de fotos. Mesmo assim, tendo ciência de que o amor terá um fim, que a chama da vela não inflamará eternamente, você se deixa envolver. Quem há de negar a possibilidade de sentir o coração na boca com uma tímida cruzada de olhares? De ser surpreendido na cozinha, sendo puxado para dançar um tango, no meio das panelas no fogo? De ouvir eu te amo numa tarde qualquer de mormaço?
Um dia o amor, como disse Paulo Mendes Campos, acaba. É típico do amor acabar. Mas você insiste. Pela boa pessoa que o outro é, e que você é, você resolve dar mais uma chance. Tem conserto. Precisa apenas de uma formatação. Passaremos por cima.
Mas não. Depois que uma máquina quebra, ela jamais há de ser a mesma. Seja pela técnica que não dá conta (as máquinas são imprevisíveis e geniosas), seja pelo medo de quebrar de novo. Depois que volta do conserto você fica com medo de usar, de ligar, vai que dá pau de novo? Dá pra confiar? E você se vê com o aparelho lá, encostado num canto. Uma relação apática como a de um casal assistindo à televisão depois de um dia de trabalho árduo. Foi-se os tempos em que as mães exibiam os eletrodomésticos presentes de casamento. Hoje tudo é descartável.
Nas máquinas ou no amor, não confie na garantia. Muitas vezes não há argumento. Não há nada que podemos fazer, meu senhor. A escolha foi sua, você sabia, todas podem estragar. Confiar é estar sujeito a tudo. Às intempéries climáticas, ao desgaste do tempo. As máquinas, se pudessem, pediriam garantia por terem sido trocadas por uma outra aparelhagem mais moderna. Pediriam para serem devolvidas às fábricas, que lhe tirassem todas as peças. Melhor isso que observar o dono se divertindo com a outra, a recém-chegada. Mas não há o que podemos fazer, prezado. Assim é mesmo com o amor. Apaixonar-se é estar sujeito à possível ação do tempo, ou à presença de um outro.
Mas por que ser tão pessimista? A tecnologia também facilita os relacionamentos! As possibilidades de contato são ampliadas, as fronteiras não existem. E o reverso da medalha é que quanto mais envolvido, mais dependente você estará quando a máquina quebra. Mais angustiante se torna a espera de não saber o que acontece com o mundo e com aqueles entrelaçados nas suas redes. E, como são várias as possibilidades de se manter contato, várias são as possibilidades de ser ignorado. Ao final, você se sente como el coronel de Marquez, que no tiene quién le escriba.
Há pessoas que resistem à dependência das máquinas. À rapidez, à fluidez, à superficialidade das tecnologias. E há pessoas que resistem ao amor. Ao receio do começo e à consequente melancolia do inevitável fim. Estranha civilização essa de máquinas descartáveis e amores apressados. Melhor seria um tempo de amor sem pressa, que aguarda em silêncio. Sem se afobar.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Electrical Storm

Car alarm won't let ya back to sleep
You're kept awake dreaming someone else's dream
Coffee is cold, but it'll get you through
Compromise, that's nothing new to you.
Esqueça One, Stay ou With or Without. A melhor música desse fim de semana é Electrical Storm. Não sou músico, aliás, nem de Rock Band (um péssimo baterista). Tão menos sou fã de U2. Acho Bono pedante, tenho a impressão que ele não peida para não afetar a camada de ozônio, sem contar, essa história de megashows, dá impressão de impotência sexual, no caso em epígrafe, musical. Acho que esta é a minha I'm like a bird, embora, não tenho 1/1000 do talento de Nick Hornby para defendê-la.

Tudo começou num sábado quente que passava pelo Parque Dom Pedro com a visão a partir do São Vito e a convicção de que Sol e SP não têm muito a ver. São Paulo gosta do cinza, da garoa, o Sol a desfigura como o choro à maquiagem. Comecei a ouvir um CD que não lembro de ter montado, em São Bernardo, com Beatles e uma sequência absurda de grandes músicas (sim e não merece comentários, pois, Beatles, né!?) e Coldplay, chato, apenas Trouble me interessou. Quando começou U2, fui passando até chegar em Electrical Storm. Já estava perdido nos meus pensamentos com o clichê de Cinza+SP (referência que está um pouquinho depois do caput desse parágrafo).

Arrebatou, Repeat!

O fraseado de guitarra me fez a selecionar o repeat, a cada término, um novo repeat. Tratava-se ouvir uma música como se deve, cada nuance, som, separadamente e descobrir suas brincadeiras. Lembrou-me a vez que ouvi Dosed pela primeira vez. Aliás, acho The Edge parecido com Frusciante. Sim, a guitarra dessa música é bem boa.

O nome da música. Gosto de nomes fortes, sou capaz de comprar livros, filmes ou CD só pelo título. A última vez que fiz isso foi a compra do Eu receberia as piores noticias dos seus lindos lábios. Talvez, seja por isso que eu gosto de Smiths, mesmo as músicas não me agradando tanto, embora, seus nomes valham uma ouvida.

Contudo, faltava o vídeo, a melhor música do fim de semana tem que ter bom clipe. Nesse quesito a surpresa foi por demais boa. A direção do clipe é de Anton Corbjin, nada mais e nada menos que o cara de Control, que manja uma ou duas coisas de música. Lógico: preto e branco. Não lógico: O protagonista do clipe não é Bono.

Mesmo assim, não me tornei fã de U2. Quando eles vierem ao Morumbi, não tem a mínima chance, não serei a próxima Katilce. Aliás, não acredito em shows, ainda mais que mais uma vez perdi a chance de ver os meus heroes
: Sonic Youth.





sábado, 14 de novembro de 2009

Dona Flores


Rugas são apenas histórias que o tempo publicou na pele.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

A boca da donzela


Um dia a donzela sonhou uma boca. Não que não soubesse sonhar um corpo inteiro; acontece que naquele dia quis sonhar somente uma boca. Não uma comum -- pois bocas comuns existiam aos milhares -- a sua boca haveria de ser especial; boca nunca sonhada.
Elaborou o contorno: nem muito fina, nem carnuda demais e, por levar seus sonhos a sério, não quis ir além dos limites da imaginação fazendo outra boca que não fosse vermelha. Tendo definido a cor, achou que a boca deveria ser doce. Para princesa era loucura imaginar uma boca sem gosto.
Nas primeiras noites ficou totalmente satisfeita com a boca sonhada; boca esta que por vezes parecia sorrir-lhe flutuando segura no vazio. Com o tempo, porém, irritou-se um pouco com aquela boca ali perdida no nada. “Que triste!”, bradou a princesa, “uma boca ser tão sozinha!” E olhando a boca, não demorou a perceber que aquela era uma boca de homem e que precisava urgentemente de um rosto.
Sonhar um rosto de homem não era coisa difícil; tantos homens que iam e vinham o tempo todo. Contudo, da mesma forma que na boca, a princesa quis se esmerar no rosto que sonhava.
“Tem que ser um rosto sincero, com olhos redondos e meigos para combinar com a boca; sobrancelha baixa, para dar ao rosto certo mistério, um certo atrevimento...” No nariz, parou uma semana. E como era difícil sonhar um nariz! Pois, em narizes, pouco reparava. Assim, tendo estabelecido o nariz, vieram fáceis a testa, as maçãs, o queixo. E o cabelo? Negro? Louro? Vermelho? E a cor da pele, qual seria?
Gastou mais uma semana para sonhá-la. Nem branca, nem negra, um meio termo: clareava no inverno para combinar com a neve e escurecia no verão, para combinar com a terra. E por não saber para que servia, estabeleceu que os fios da barba cresceriam lentamente, dando tempo de se optar.
Surpreendeu-se a princesa com a cabeça sonhada. Cabeça que custara a ela todas as noites de um mês inteiro. A cabeça era um sonho, porém depois de concluída pedia urgentemente um corpo.
- Cruz credo! - tremeu a princesa, se alguém sonhasse o mesmo sonho acharia com certeza que havia decapitado o pobre rapaz.
Foi assim que na mesma lentidão, a cabeça cobrou o corpo que a princesa foi sonhando.
Sendo insuficientes as noites, a princesa foi penetrando cada vez mais os dias, passando mais tempo no sonho do que na vida.
Assim de repente, ela foi tomando consciência das diferenças que havia entre aquele corpo e o seu: o ombro largo, para que servia? Talvez para suportar o peso das armaduras que o homem teimava em usar para fazer guerra. O tórax largo seria para as medalhas? Os braços musculosos, para levar donzelas? Longos, para atirar do arco, as flechas? E as pernas? Que razões teriam para serem tão cumpridas senão para se adaptarem à sela de cavalgar? Por mais sonhar essas coisas, mais descobria que o homem era definitivamente um ser estranho e que estranhamente lhe agradava.
Mas nenhum homem a agradava tanto quanto este feito inteirinho de sonho. Por esta razão: a de não concluí-lo, adiava o despertar, demorando-se nos detalhes mais fúteis, como o contar e recontar inúmeras vezes os dedos para ele sonhados.
Os pais já a haviam repreendido, dizendo que sonho demais era quase tão ruim quanto a realidade, mas ela nada ouvia, pois já sonhava acordada.
Sonhava um outono, quando percebeu que o moço não sorria. Achou que fosse a falta de dentes e sonhou-os brancos, perfeitos e bem escovados. Mas mesmo assim o cavaleiro não lhe sorriu. Notou que, desde o início não lhe fizera nem um gesto, nem uma palavra dissera. Nada. Achou que era pura timidez, pois ela o havia sonhado primeiramente nu para depois pôr-lhe as roupas. Porém, tanto tempo transcorrido, começou a temer que fosse surdo, ou mudo, ou pior: não gostasse dela nem um pouco. Que a odiasse por ela tê-lo moldado inteiramente conforme a sua vontade. Que o quisera bom demais, bravo demais -- demasiado: augusto em cada detalhe.
Então, tomou coragem e esticou o dedo tocando-o. Era quente, pulsante, vivo -- um homem, não uma estátua! -- Ela, então, fechou o punho e bateu em seu joelho ordenando: - Fale!
Mas ele não falou. Ela então se afastou cheia de horror, pois compreendera que o fizera perfeito. Perfeito demais. Esquecera somente de lhe dar uma alma. Existiria uma alma perfeita?
Mas não era isso, era pior. E seu grito soou terrível.
- Sou eu que não sou perfeita.
E, gritando, desejou que jamais tivesse feito seu corpo, sua cabeça... e que sua boca, ora, que a sua boca fosse igual a qualquer boca. Uma boca qualquer, que pudesse beijá-la com amor.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Luz

Eu podia falar hoje sobre como é difícil pra mim pedir demissão. Sobre como eu brinco que é igual a terminar namoro: a gente sabe o que a gente quer, sabe que é melhor pra gente, mas com medo de magoar o outro, a gente enrola, adia, discute a relação, diz que vai pensar, pede um tempo, enrola de novo, vai, volta, vem, termina, e no fim das contas, depois de tudo terminado e algumas lágrimas derramadas, tem certeza de que era isso mesmo.
Eu podia falar hoje sobre o que o horóscopo, em que eu não acredito, me disse: É natural confundir-se com as pessoas, achando que elas são isso ou aquilo quando na verdade tudo era apenas fachada. É natural confundir-se, porém não é natural insistir na confusão depois de ter sido desmascarada.
.
Mas não. Hoje eu quero falar de luz.
.

.

.
“Mal colocas dentro dela a lamparina e já se projetam imagens das mais coloridas na parede branca! E mesmo que todas não sejam mais do que efêmeros fantasmas, elas nos fazem felizes enquanto permanecemos ali, acordados, e como crianças nos maravilhamos com suas aparições maravilhosas.”

.Goethe, Os sofrimentos do jovem Werther

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

O que aprendi no último ano

A resiliência depende do otimismo. Sempre comprar uma caixa extra de suco. Bolachas são amigas. Muito cuidado ao ficar pedindo para viver de brisa, porque a ventania pode vir mais forte do que você pode suportar. Um pouquinho de corante na água faz o arroz ficar com cara de comida de restaurante. Se a Espanha não ganhar o próximo Mundial, com o time que tem, não ganha nunca mais. Algumas pessoas sempre te julgarão pela imagem que criaram de você, não importa o quanto você exija que elas escutem as suas palavras. Libertar-se dessa gente é das tarefas mais difíceis da vida. Mas não impossível. Um uniforme pode fazer um menino virar homem. Frases que rimam continuam sendo a minha perdição. É possível passar mais de um mês sem chocolate. Mas não faz muito sentido. Naqueles dois segundos que te levam para enfiar as pernas embaixo da coberta são os que revelam realmente se o dia foi bom ou não para você. Visitar Portugal é ir ao Brasil pela metade. Não é metade do caminho até o Brasil. É estar no Brasil, mas não estar no Brasil. O mundo velho tem igrejas demais (estou falando contigo, Itália). Mas ainda vale a pena entrar em todas só para ver se alguma delas tem um toque diferente. A tolerância cresce de acordo com o nível de solidão. O segundo semestre do ano, na Espanha, é sempre melhor, porque as estações, assim como os humanos, relutam em lidar com o próprio fim. Então o inverno engole a primavera, mas o verão engole o outono. Não há como definir a Espanha. Touros e castanholas são como o biquíni e o carnaval. O jornalismo espanhol não é perfeito, mas tende a ser menos criminoso com o idioma. A regra do “olhou pra mim, é meu amigo”, nascida no Canadá, não é universal. Não tenho a mínima vontade de morar em Barcelona. Ainda não terminei de fugir, mas já comecei a incluir nos planos as fugas que não exigem deslocamento físico. Torcer para time pequeno é tão bom quanto torcer para o Maior do Mundo. O galego é o idioma mais fascinante que já conheci. Vai ser difícil largar o vício do “vale” e evitar os olhares estranhos. O termo “low cost” vai mudar o mundo e, como sempre, isso é bom e horrível ao mesmo tempo. Há 367 dias não tomo Guaraná ou como pão de queijo feito por alguém que não seja eu. Esse recorde perdurará por mais 27 dias, quando começará a contagem regressiva para tomar Estrella Galicia e comer tortilla.

domingo, 8 de novembro de 2009

a hora do sim, o descuido do não


tem dias que, como vinícius, eu fico pensando na vida
e, há saída?
vejo uma grande contradição
não tem encontro sem separação
não tem manhã sem anoitecer
há de se acabar pra poder renascer

tem dias que, como vinícius, eu fico pensando na vida
e, há medida?
vejo uma vaga extensão
não tem escolha sem negação
não tem retorno, só compensação

sei lá, sei lá
a vida é uma grande ilusão?
sei lá, sei lá
a vida tem sempre razão?

sábado, 7 de novembro de 2009

Angra, meus 23 e sentimentalismos

A intenção era dizer sobre Angra e sua beleza, o mar, os barcos, as pessoas. A intenção era dizer sobre minhas 23 primaveras.
Mas nada, nada dentro de mim consegue ir além da dor dessa perda irreparável.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

vivo, hoje, um clichê

Ultimamente é preferível olhar e escutar, por isso, talvez, as imagens têm dito tanto.






quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Tempo nublado no céu da boca

- Você tem dois caminhos: ir ou ir. Não me venha com atalhos, com covardia dizendo que por ali tem lobo mau, sim? - Deixou aquela presença densa na avenida movimentada e seguiu sem olhar para trás. De costas parecia ser maior ainda, sua sombra abraçava a cidade, engolia transeuntes e todas as gentes que tinham sempre algo a vender: pipoca, algodão doce, corpos, pó, pedras. Felipa costuma ser firme com suas meninas logo na primeira aula prática. Corpos âmbar infantis com roupas de idade maior quase sem roupa na luz néon da Augusta. Clara fora adestrada para só dizer “sim” – Sim – disse com a voz miúda qual seu corpinho. O vento de fora era frio e sem céu, o vento de dentro estava cheio de estrelas. O corpo magro, os cabelos dourados e o rosto de boneca da novata incomodavam as mais experientes. - Olha só garota, este quilômetro é nosso, chegamos aqui primeiro. – A tristeza da menina contrastava com o strass da roupa, com o glitter da bolsa de mão e com a sombra viva azul de seus olhos. Ela tinha o céu acima dos olhos e tudo que ela queria era ser vento, sair dali assobiando, passeando por todas as brechas, janelas e nunca mais voltar. A esperança de Clara cabia dentro daquela bolsinha.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

todo desejo, todo grito, todo medo, todo abismo, todo escuro veio morar nela hoje.
ela só queria se deitar na cama e silenciar.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Você deseja mesmo bloquear esse usuário?

Antes era fácil. Era um adeus e seja feliz para alguns, um espero que você morra sozinho e doente para outros mais rancorosos, mas era cada um pro seu lado e pronto. O máximo a se evitar era o telefone, mas nada que uma caderneta rasgada não resolvesse.
E agora? Como se tira alguém da vida? O que é de bom tom, o que não é? O que é dor de cotovelo, o que é civilizado?
Primeiro que hoje todo mundo evita uma discussão olho no olho. Melhor um e-mail. E escreva lá todas as amarguras que você está carregando. E depois? Espero a resposta? Bloqueio o e-mail de uma vez? Mas e se ele escrever que sim, foi mesmo um idiota, mas está arrependido? E se ele falar algo ofensivo? Você tem que se defender, oras. Melhor esperar. E lá vai você entrar no e-mail a cada cinco segundos pra ver se chegou a resposta.
Com medo de acabar com todas as unhas e ganhar uma gastrite, você escolhe bloquear o e-mail e, consequentemente, deve também bloquear e deletar o ex-par do msn. Rápido e eficaz. Mas e o orkut? Não é feio deletar? E o que eu faço com os amigos e familiares dele? E as fotos? Já devo mudar o status de namorando para solteira? E se ele aparecer daqui duas semanas namorando outra pessoa, com fotos felizes e declarações de amor?
Há quem prefira retirar logo o perfil do site para evitar esse dissabor. Taí, vou ficar só com o facebook. Então você lembra que ele está lá também, droga. E pior, que você vai perder um vizinho no farmville, justo agora que você está quase expandindo suas terras.
Ainda tem o skype, o twitter, o blog, o blip, o flickr...Você respira fundo e jura pra si que na próxima vez dirá que não, não tem e-mail, nem mesmo sabe usar um computador.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Finados

.
.
Não lamentei ninguém que já se foi, a saudade não foi tão grande.
Ainda não sofri uma perda irrecuperável, nem ao menos inesquecível.
Não sei se vou aguentar o dia que isso acontecer.


.
.

domingo, 1 de novembro de 2009

la tour eiffel e a visão do mundo

.paris, fevereiro de 2008

não sei se a visão que a gente tem da grandeza do planeta vem de experiências que passamos no dia-a-dia, do que ouvimos falar, das notícias internacionais que vemos em telejornais ou em programas de viagem, dos filmes, das fotos que vemos em livros de geografia ou revistas especializadas em turismo. conversando com uma senhora, que é copeira, percebi que a viagem mais longa que ela fez foi da bahia para são paulo, de ônibus. seu sonho é conhecer las vegas. freqüentar cassinos. como não tem grana para exercitar o prazer de apostar lá, faz suas apostas aqui mesmo, na mega sena (toda a semana). um dos passeios que ela mais gostou de fazer foi ao hopi hari. o brinquedo que mais chamou sua atenção foi a torre eiffel.

eu: por que gostou? pela aventura? adrenalina?
ela: não. porque no topo da torre, a gente vê o mundo...
.
.
.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Pies descalzos

Aquariana sonhadora is now following your tweets on Twitter
Foto de close do rosto e com óculos escuros. Baranga e não vê homem desde o século passado. #fato

“A solidão também é uma fonte de riqueza em nossas vidas” [Emma Riverola, publicitária e escritora].

Maicon Vida Loka is now following your tweets on Twitter
Não aguento mais essa orkutização que tah rolando aki. Outro mlk com cara de bandido me added?#tenso

“Às vezes me dá enjoo de gente. Depois passa e fico de novo toda curiosa e atenta. E é só” [Clarice Lispector, escritora].

Danizinha futura jornalista is now following your tweets on Twitter
Meodeos! Com esse decote aí a moça não vai ficar sem canudo... #fail

“Mesmo o amor que não compensa é melhor que a solidão” [Vinicius de Morais, poeta].

Pegaeu is now following your tweets on Twitter
O maluco colocou o número do celular na “one line bio”. Darling, naum é chique ter um pré-pago das Casas Bahia. #fikadika

“Qualquer um que não conseguiu comprar um relógio Rolex até os 50 anos fracassou na vida” [Jacques Seguela, publicitário francês].

Jurema Deus é fiél is now following your tweets on Twitter
Essa deve ser da igreja daquela bispa que tava no xilindró. Pelo acento agudo em “fiel” dá pra ver q ñ foi alfabetizada em inglês. #surtada

“A pior solidão é não ter amizades verdadeiras” [Francis Bacon, filósofo].

Nando1973 is now following your tweets on Twitter
Tão acabado q o ano do nick deve ser o da formatura na facul. Como mora nos cafundós, deve usar Internet discada na Lan House. #aff

“Quando estão sozinhos querem estar acompanhados, e quando estão acompanhados querem estar sozinhos. Isso faz parte de ser humano” [Gertrude Stein, escritora].

GihhPoesias is now following your tweets on Twitter
Frase do Caio Fernando Abreu na apresentação. Com essa cara de pobre, no máximo leu algum livro de receitas de bolo. kkkkkkk #aloka

“O amor é uma espécie de preconceito. A gente ama o que precisa, ama o que faz sentir bem, ama o que é conveniente. Como pode dizer que ama uma pessoa quando há dez mil outras no mundo que você amaria mais se conhecesse? Mas a gente nunca conhece” [Charles Bukowski, poeta].

Pavarini is now following your tweets on Twitter
Boné, brinco e microfone na mão? Algum cantor sertanejo tentando pagar de ga(s)tinho. #vaza

“Tirar os sapatos é um pouco isso: não reagir àquilo que o rejeita, que o agride” [Nilton Bonder, rabino].

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

"Onde há vida há poesia" - Cora Coralina

"Poeta, não é somente o que escreve.É aquele que sente a poesia, se extasia sensível ao achado de uma rima à autenticidade de um verso."

Saber Viver
"Não sei... Se a vida é curta Ou longa demais pra nós, Mas sei que nada do que vivemos Tem sentido, se não tocamos o coração das pessoas. Muitas vezes basta ser: Colo que acolhe, Braço que envolve, Palavra que conforta, Silêncio que respeita, Alegria que contagia, Lágrima que corre, Olhar que acaricia, Desejo que sacia, Amor que promove. E isso não é coisa de outro mundo, É o que dá sentido à vida. É o que faz com que ela Não seja nem curta, Nem longa demais, Mas que seja intensa, Verdadeira, pura... Enquanto durar"


"Faça doce com amor, com fruta, com o tacho de cobre no fogão de lenha.Nem muita água, nem muito açúcar, misture tudo isso com muita inteligência.Vá graduando no fogo, escorra a calda, apure essa calda, mais um bocadinho no fogo.Vá despejando as porções no prato ou travessa rasa,Vá passando os pedaços de frutas cozidas em calda.Deixe esfriar. Levante a tampa. O doce está pronto!Sirva-o com amor e inteligência".
.
(Aninha e suas pedras)
Não te deixes destruir...
Ajuntando novas pedras
e construindo novos poemas.
Recria tua vida, sempre, sempre.
Remove pedras e planta roseiras e faz doces. Recomeça.
Faz de tua vida mesquinha
um poema. (...)
"Sou a voz da terra e sou a própria terra. Sou a gleba, eu sou o tronco, eu sou raiz, eu sou folha, eu sou graveto, eu sou tudo isto. Eu nasci no berço de pedra - de pedra tem sido os meus versos no bater e rolar de tantas pedras". Eu sou Aninha" - Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas, nascida antes da República, em Goiás Velho."

"Cora Coralina é a pessoa mais importante de Goiás. Mais do que o governador, as excelências parlamentares, os homens ricos e influentes do Estado". (Carlos Drummond de Andrade)...
Neste elogio, ela discorda logo:
"Eu sou mesmo é a maior doceira de Goiás, isto sim, eu concordo". (Cora Coralina)

[ Boa medida, recalcada, sacudida e transbordante! embrulhada com a fita doce do amor e papel-seda da simplicidade. Um belo presente para o dia 29, ganho antecipadamente em 24/10/2009 no Museu da Língua Portuguesa ]