quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Tempo nublado no céu da boca

- Você tem dois caminhos: ir ou ir. Não me venha com atalhos, com covardia dizendo que por ali tem lobo mau, sim? - Deixou aquela presença densa na avenida movimentada e seguiu sem olhar para trás. De costas parecia ser maior ainda, sua sombra abraçava a cidade, engolia transeuntes e todas as gentes que tinham sempre algo a vender: pipoca, algodão doce, corpos, pó, pedras. Felipa costuma ser firme com suas meninas logo na primeira aula prática. Corpos âmbar infantis com roupas de idade maior quase sem roupa na luz néon da Augusta. Clara fora adestrada para só dizer “sim” – Sim – disse com a voz miúda qual seu corpinho. O vento de fora era frio e sem céu, o vento de dentro estava cheio de estrelas. O corpo magro, os cabelos dourados e o rosto de boneca da novata incomodavam as mais experientes. - Olha só garota, este quilômetro é nosso, chegamos aqui primeiro. – A tristeza da menina contrastava com o strass da roupa, com o glitter da bolsa de mão e com a sombra viva azul de seus olhos. Ela tinha o céu acima dos olhos e tudo que ela queria era ser vento, sair dali assobiando, passeando por todas as brechas, janelas e nunca mais voltar. A esperança de Clara cabia dentro daquela bolsinha.