sábado, 24 de julho de 2010

Caído


Andando apressadamente para voltar ao trabalho após o almoço, o jovem se deparou com um homem caído no chão, aparentava ser de meia idade, estava bem trajado, com um terno preto e seus sapatos eram tão lustrosos que era possível refletir a luz do sol que naquele horário ardia. Outras pessoas passaram por ele e nada fizeram para ajudar, mas ele parou, talvez por ainda não possuir o coração gelado das pessoas dali. Ou pela boa aparência do homem. Ele sabia que não teria a mesma preocupação por um maltrapilho. Cruel, mas verdadeiro.
Ao se aproximar pode notar que o homem estava com os olhos abertos, com o rosto grudado na calçada, os braços estendidos com as palmas da mão viradas para baixo, e as pernas afastadas e levemente dobradas.
- Senhor? O que houve? Posso ajudar?
- Saía daqui! Eu estou bem...
Assustado com a aspereza do homem reparou que não havia vestígio de sangue em seu corpo, seu terno estava impecável.
- Mas senhor, não pode ficar aqui, deixe-me levantá-lo.
- Não! Não toque em mim! Não ouse tocar em mim! Eu já disse que estou bem, por favor, me deixe... Deixe-me em paz!
Outras pessoas pararam para ver o que acontecia. Uma mulher perguntou a ele o que havia com aquele senhor, e o jovem respondeu: É o que estou tentando descobrir. Mas ele não me deixa ajudá-lo.
- Queremos ajudá-lo senhor.
- Eu não preciso de ajuda. Não da ajuda de vocês!
- Credo! O senhor está bêbado? Só pode estar bêbado... Uma hora dessas e já está de porre.
- Eu não estou bêbado. Algo horrível aconteceu.
- O que aconteceu? – perguntou o rapaz novamente, ajoelhando se ao lado do homem.
- Não devo lhe contar. Já disse que estou bem, voltem para seus afazeres... Deixem-me em paz.
- Por Deus homem! Essas pessoas querem te ajudar diga logo o que está acontecendo. – disse um homem placa; que anunciava comprar ouro.
- Já disse. Não esta acontecendo nada.
- Mentiroso! Você acabou de dizer para mim e para esse rapaz que algo horrível tinha acontecido. – gritou a mulher
- Não é dá conta de vocês! Estou bem já disse.
- Ele é louco! Não perceberam ainda? Este homem esta pirado da cabeça. Cada coisa que a gente vê nessa cidade viu? – reclamou desapontada
E a aglomeração em volta do homem caído aumentou mais e mais. E isso atraiu a atenção dos policiais que naquele exato momento faziam ronda. Alguns que ali estavam comemoraram ao ver os oficiais se aproximarem.
- Agora quero ver se esse vagabundo não levanta daí rapidinho. – esbravejou um senhor que interrompeu o passeio com seu cão para ver o que acontecia.
- O que está acontecendo aqui? – perguntou o oficial.
- Esse homem senhor, está caído aqui faz um tempo já, e não deixa ninguém ajudá-lo.
“ELE É LOUCO!” – gritou alguém no meio da multidão.
- Calma pessoal, afastem-se! Deixe me falar com ele. Edgar chame os paramédicos.
O policial agachou em frente ao homem.
- O senhor está bem?
- Eu já disse que estou. Mas essa gente não me deixa.
“PRENDA ELE!”
“LEVA PRO XILINDRÓ”
“DÁ UMA SOVA NESSE VAGABUNDO”
- Senhor, me desculpe, mas é evidente que não está bem, esta deitado em plena calçada, estamos na Paulista, está atrapalhando os transeuntes.
- Eu já disse, está tudo bem, vão embora! Vai ficar tudo bem se forem embora.
- Como assim vai ficar tudo bem? O que está havendo?
- Nada.
- Mentira senhor policial, ele disse para gente que algo horrível tinha acontecido. – esbravejou um dos curiosos.
- Qual seu nome senhor?
 - Meu nome não importa agora. Nada importa! Droga, mas que diabos? Deixem-me em paz.
O policial esboçou pegar em seus braços.
- NÃO TOQUE EM MIM! NÃO TOQUE EM MIM! Vocês querem saber a verdade? Vou lhes contar a verdade.
- Conta logo homem! Vamos acabar com isso. – disse o homem placa
- Tudo bem! Eu vou contar... Mas que Deus tenha piedade de mim, e de todos vocês, vocês não sabem o que estão fazendo. Estão cometendo um grande erro.
- Anda com isso! Não temos o tempo todo. – disse o policial
E o homem proferiu algumas palavras, quase que sussurrando. E aqueles que ouviram caíram ao seu lado e lá permaneceram.

Conto de Fernando Ferric
Impossível - Col. de Contos F. Ferric