quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Sobre O Tempo

 “A Máquina do Tempo” é um filme, da década de 1960, baseado no romance de H. G. Wells, que conta a história de um cientista inglês que constrói uma geringonça capaz de transportá-lo ao longo dos séculos.  É um dos filmes preferidos do meu pai que, ainda moleque,”gazeteou” (como ele diz) aula, por uma semana, pra ir ao cinema, rever o filme, de tanto que gostou.

    Em “Operação Cavalo de Tróia”, J.J. Benitez descreve uma missão secreta da Força Aérea Americana que retorna à Jerusalém, do início da Era Cristã, para provar a existência de Jesus.  Gasta bem umas cinquentas páginas para provar, por a+b, que é, cientificamente possível, viajar através da História.

    Confesso que esse foi um tema que sempre me atraiu.   E tenho pensado muito em como seria foda ter uma máquina dessas, ultimamente.  Vocês já notaram como o tempo anda passando rápído demais? Putz, noutro dia ainda era julho, agora já estamos quase na metade de setembro!  Tá, estamos na Era da Informação, blábláblá, mas tô com a teoria de uma amiga e não abro:  há algo muito estranho acontecendo.  Vai ver é com os movimentos da Terra...

    Noutro dia mesmo, estava vendo tv, e vi que vão reprisar, mais uma vez, a telenovela “Mulheres de Areia”.  O remake, com Glória Pires no papel de Ruth e Raquel, foi ao ar no já distante 93 e foi exibido novamente no Vale A Pena Ver de Novo, em 97.  Gostei da ideia, porque é uma novela que me traz boas lembranças, me faz lembrar da adolescência.  Mas aí, a ficha caiu:  Porra, já se vão 18 anos!  Isso quer dizer que já tem quase 20 anos que fui adolescente?!  Caraca.

    Juro que se esse papo de máquina do tempo fosse real, ia dar umas voltinhas aí nela e aproveitar pra dar uma atrasadinha no relógio.  Porque, fala sério: daqui a pouco já é Natal, Ano Novo, Carnaval e Natal outra vez...  Enfim:  foda.