domingo, 4 de maio de 2014

May the 4th be with you.


Olá pessoal. Quem me conhece sabe que eu sou muito atento aos ritmos - faz parte da minha crença estar atento a isso, mas levo ao máximo esse aspecto. Tudo tem uma hora, um momento. E Star Wars teve seu momento na minha vida.
A propósito, as últimas semanas.
Cheguei a algumas conclusões nada ortodoxas sobre a saga. Claro, comparativas, em sua maior parte, com Game of Thrones.

Episódio IV

1. O R2 deveria ter uma entrada USB. Opa, pera: o George Lucas não imaginaria que as entradas seriam menores que um dedo. Na verdade, se construído hoje em dia, o R2 teria wi-fi e teria sido detonado por um vírus, e neca de história. Deixa do jeito que está.
2. O triângulo amoroso da história é bem fraquinho. Aquele filme dos irmãos Grimm constrói o negócio bem melhor. Opa, pera: Não estamos falando de As Brumas de Avalon. Deixa do jeito que está.
3. Depois de ler GRRM, qualquer herói merece morrer #valarmorghulis. Opa, pera: Deixa o Hans Solo e o Luke viverem, senão não tem história. Deixa do jeito que está.
4. A Princesa Léia não é só feinha, como aquele cabelo a la Chun Li que deu muito errado destroi qualquer perspectiva de virar sex symbol a não ser de JENTI MTCHO LOKA. Opa, pera: como essas pessoas existem, deixa do jeito que está. 
5. Hodor 10 x Chewbacca 0. Opa, pera: não dá nem para comparar, deixa do jeito que está.
6. A Força é legal, mas a frase "que a Força esteja com você" tá batida demais. Opa, pera: eu tenho amigos demais que gostam, antes mesmo que eu tivesse gosto por assistir. Deixa do jeito que está.
7. Genial começar a história pelo meio. Assistir na ordem numérica deve ser como ler o Festim dos Corvos e a Dança dos Dragões em ordem cronológica. Um saco. Deixa do jeito que está.
8. O filme é bom. Deixa do jeito que está.

Episódio V

1. Sabres de luz, embora por ora impossíveis, são muito legais.
2. SABIA QUE TINHA UM TRIÂNGULO AMOROSO. 
O beijo da Princesa Léia no Luke foi bacaninha. Mas a cara de cuia do Hans Solo foi SENSACIONAL.
Btw, o beijo do Solo na Léia foi muito melhor. 
Na verdade, a Léia beija [quase!] todo mundo.
3. A Marcha Imperial fica super bacana de ouvir quando contextualizada. Já estava enjoado dela como toque de celular.
4. O capacete do Darth Vader segue algum modelo alemão ou eu tô viajando? [lembrando que as duas coisas são possíveis simultaneamente].
5. O R2 seria um pendrive. 
6. Definitivamente, o padrão de beleza era outro. [Só eu que acho o Mark Hamill parecido com o Alfie Allen?]
7. No treinamento Jedi, a mesma cobra aparece trocentas vezes no cenário. Ou então, o Mestre Yoda mora num covil, vá saber.
8. Esse lance de trocar a ordem das frases do Mestre Yoda não é lá muito legal não. Tipo, tradução não ajuda... Prefiro meu bom e velho Sr. Miyagi.
9. C3-PO. Robozinho amarelo chato da porra. Sacanagem da grossa com os mordomos ingleses.
10. Falando nele... Os destroços dele foram deixados em uma sala, depois estão na cela do Chewbacca. Vá entender.
11. - I love you.
- I know.

Sempre quis saber de onde vinha esse diálogo. 
Princesa Léia e Hans Solo.Acabei descobrindo que esse diálogo foi modificado pelo Harrison Ford! Era para ele responder que a amava também, mas... Enfim, é o Han Solo, é o Harrison Ford.
12. Quando soube que o Luke perdia a mão, achei que seria algo dramático como foi o caso do Jaime Lannister. Doce ilusão. Cena ridícula, sofrimento mínimo. Nada dramático. E o lance de descobrir que o Vader é pai dele também perdeu a graça de tanto que já tinha ouvido antes.

Em relação ao Episódio IV, esse episódio é tosco de tão ridículo.
Tipo Matrix Reloaded. Ficou tosco por ter sido feito enquanto o interesse estava aquecido, uma continuação para um filme que não pressupunha continuação. 
Nesse caso, que pressupunha, é muito pior.

Episódio VI

1. A Princesa Leia passa o rodo. Quem é CersexXx perto dela? É quase comparar a Cher com a GaGa. [claro que a comparação esconde um spoiler.]
2. 3-PO. Já não bastava ser chato pra cacete, virou o Deus dos Ursinhos Gummy.
3. Daqui para frente é complicado não dar spoilers. Mas sério, se existem gêmeos de poderes semelhantes, porque um pode ser descoberto e o outro não? 
4. James Cameron, seu safadinho, já sei de onde você tirou a batalha final de Avatar. Até o cenário é igual, dadas as devidas proporções.
5. a música final é a melhor música da trilogia. O que me impressiona é que eu nunca a tinha ouvido.

E que a Força esteja com você, porque só com MUITA força de vontade eu termino os episódios I, II e III.