domingo, 7 de fevereiro de 2016

A Via Láctea

Pequenos vaga-lumes fazem morada na teia do céu. A lua sorria em ser tríplice e entoava canções de um tempo muito antigo. Ouvia-se o tremor de asas dos besouros e a dança das folhas, animadas com a visita da brisa noturna. Eu era criança e sabia muito pouco sobre o desenrolar do destino. Com os pés descalços, sentia a umidade da grama como um pequeno prazer.
Meu irmão e eu, travessos de uma curiosidade de cientista, pegamos a pequena chave azul para desvendar o universo. Aquela chave dava passagem ao cômodo da casa que guardava todos os mistérios dos que ali já haviam vivido: fotografias armazenadas em suportes de plástico que, quando olhadas pelo buraquinho, pareciam se mover; maletas de couro com moedas acobreadas pela vida; livros, inúmeros deles, com histórias de crianças transformadas em lobo na quaresma, animais pré-históricos que viviam em cavernas, receitas de banhos de alecrim para sonhos premonitórios, um oráculo chinês.
Ao fundo do cômodo, encostada em um armário de madeira desenhado pelo tempo, estava a luneta. Via Láctea era seu nome, devido ao seu corpo branco e suas bordas negras. Ela era sustentada por um tripé cujas extremidades estavam descascadas, deixando à mostra sua pele metálica. 
Os adultos estavam bem humorados – era uma noite de verão estonteante. Cantavam alegres "Vaga-lume vem, vaga-lume vem vem, seu pai tá aqui, sua mãe também", na tentativa de atrair para perto de si luminescências. 
Permitiram-nos levar a Via Láctea para fora e observar o céu que, naquele dia, era só nosso.






Imagem disponível em: http://weheartit.com/entry/222180728/search?context_type=search&context_user=rubben_88&query=universo . Acesso em 02 de fevereiro de 2016.