quinta-feira, 23 de julho de 2009

No Rain



O frio que faz em São Paulo não me deixa esquecer o quanto estou sozinha.

Solidão e paulista é pleonasmo. (é ou são? – que diferença faz, não ligamos para plurais também)

Estudei e trabalhei demais, não me preocupei tanto em encontrar alguém. Ou me preocupei demais. A verdade é que nunca pensei que sentiria tanta falta dele assim.

Penso em como ele é, onde está, o que está fazendo, o que gosta de fazer. Será que também pensa em mim? Será que é feliz?

Será que ele também sente minha falta quando vai dormir e quando acorda?

Eu quero chorar. Mas lembro que todo o resto da minha vida vai muito bem. Isso é insano.
Então durmo. Leio um livro. Corro. Fujo. Fujo da solidão em que se tornou minha vida. Escapo.

Todo o resto está ótimo. Só sinto falta de alguém que me diga...