sábado, 17 de outubro de 2009

Muitomundonomundo

- Mas aonde, realmente, você quer chegar?


A terapeuta lançou a pergunta e esperou a resposta por detrás dos óculos de aros grossos. A menina pensou muito bem no que responder. Sabia que não era lhe exigida uma resposta automática, mas reveladora.

Quando abriu a boca para falar, a mulher a interrompeu:


- Será que você não quer o mundo?

- Não sou tão pretensiosa.


A questionadora arqueou as sobrancelhas, como se duvidasse.


- Sou determinada...

- Disso eu não tenho dúvidas.

- ... mas quero apenas o que posso alcançar. Coisas difíceis, mas possíveis.


A menina achou apropriado contar seu sonho de ir embora do país. De como fez cursos de idiomas, pesquisou trajetos, buscou ocupações.


- E o que ainda te prende aqui? Por que não foi?


E aí ficou sem respostas. Dizer o quê? “A margarina, as carolinas, a gasolina?” Costumava dizer que há muito mundo no mundo para ela se fechar no mundinho que a rodeava. E a sufocava.

A mulher quebrou o silêncio.


- Percebe-se claramente que há duas dentro de você. Uma quer o mundo, a outra quer... quer ficar. Casar, ter filhos, esse tipo de coisa.

- E qual é a certa?

- Não existe certa. O que não pode é elas ficarem se digladiando. Precisam entrar em um acordo.


Foi inevitável para a menina não se imaginar cercada por uma miniatura de si trajada de demônio e por outra de anjo. Uma sussurrando: vá! E a outra: fique!

A hora terminou. Pagou e saiu. Olhou para fora e lembrou que havia esquecido o guarda-chuva. Fosse outro dia e teria praguejado aquela água toda caindo. Ao contrário, riu. Riu do dia cinza, das gotas escorrendo na lente dos óculos.

Caminhou rumo ao trabalho e teve vontade de voltar. Voltar e arrumar as coisas, ir embora. Pensou se esse desejo era bom, fruto da inquietude, qualidade rara, ou se era mau, mania de fugir, de buscar a inconstância. Obra ou não da miniatura endemonhada, não quis constrariar o que lhe instigava. Fez meia volta, fez o passaporte, fez as malas. Partiu para conhecer parte do tanto de mundo que há no mundo.