sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Porque eu não sou poeta, nem escritora e nem gente

.
.
Um vazio que de tão vazio, pesava.
Doía.
Estar ali era como não estar.
Ah! Se encontrasse a invenção de morel.
O gerúndio sumiu de seus dias.
"Vai passar", alguém disse.
Não ouviu ou não acreditou.
O exílio foi fatal.
Agora também já não importa.
Nem tudo termina bem.
.
.