segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

nem bem fundo.


foi querer subir a escadaria correndo, prá chegar a tempo de mostrar o novo vestido rosa salmão, que lhe afinava a cintura e dava aos seus ares um cheirinho de algodão doce, uma fantasia pueril. ia sorrindo e doida de feliz e de fogo, o coração aos pulos primeiros degraus.

.

.

.

mas nada,
dava tempo de descrever cheirinho de vestido nada,
logo veio ELA, lhe estapear a cara, lambuzar-lhe de vergonha, passar-lhe a rasteira, jogar-lhe humilhada, escada abaixo. PUTA.
asma.