quinta-feira, 4 de agosto de 2011

AMORTECIDO (por Gilberto Amendola)

(por Gilberto Amendola)


tanto choveu
que a lagoa secou
tanto se quis
que nunca chegou
tanto doeu
que agora parou

fui amortecido na queda
pelo colchão macio do esquecimento

não me lembro o que quebrou
nem qual fratura me expôs
aos olhos de tanta gente

sou um fantoche de mola
no seu presente de grego

surpresa!

vou-me embora daqui
vou me fazer feliz
se não morrer
vai ser por um triz

o amor é um continente
gelado
sou mais o verão
desligue esse ar-condicionado.