terça-feira, 8 de julho de 2014

Pirulito que Bate-Bate

  Quando eu era bem pequena, meu pai trabalhava em uma escola.
As vezes ele trazia pão de mel que sobrava da merenda. E as vezes, ele trazia uns disquinhos emprestados.

  Eram aqueles disquinhos coloridos, com histórias ou múisicas infantis. Eu passava horas ouvindo, até decorava com direitos aos riscos e pulos.

  Ontem eu estava lembrando do politicamente incorreto dessa época, e de como era divertido. As histórias ensinavam que você podia se dar mal mesmo fazendo tudo certo e vice-versa, o mocinho ou a mocinha as vezes morriam, crianças e bichinhos também. Tinha de tudo:  fantasmas, monstros, demônios. Muito mais próximo da realidade.

  Entre os discos tinha um mais antigo, que de um lado tinha apenas "Pirulito que bate-bate". Você deve conhecer a primeira parte da música, mas na íntegra ela era assim:

Pirulito que bate-bate
Pirulito que já bateu
Quem gosta de mim é ela
Quem gosta dela sou eu

Joguei a pedra na fonte
Fui ver o que é que deu
A menina que eu amava
Coitadinha já morreu


E então eu ria, imaginando o pobre infeliz que taca uma pedra enorme na fonte e acabava justamente acertando e matando sua amada.

 Pobrezinhas das próximas gerações, vivendo em plena censura infantil.

imagem: basilio.fundaj.gov.br