sexta-feira, 4 de julho de 2014

Quem diria que Alejandro Sanz me acompanharia em um copo.


Pensa rápido: se fosse teu momento dor-de-cotovelo AGORA, o que você estaria ouvindo?

Então, esse é o meu momento dor-de-cotovelo. Na verdade, esse momento, em que você está lendo, pode ser o momento em que eu estou rachando de rir pensando em apagar essa birosca. Mas nesse momento, que eu estou escrevendo, uma bela quadratura entre Sol e Saturno nas casas 5-8 está me fazendo escrever coisas que pedem que o meu cotovelo supure.

Que bom. Estou escrevendo. Depois de meses sem a menor inspiração, estou escrevendo, não importa o tema.
Pois bem, povo de Deus. Escrevendo e ouvindo Alejandro Sanz, que na minha adolescência foi um boom musical e novelístico e o latinão da vez no sonho das minina tudo
Eu acho que latinos são tipo, o tempero da macharada. Você vai ter uns meninos com cara de homem, uns homens com cara de menino, uns adocicados, uns ácidos, uns que parece que a vida não ensinou nada, uns que parecem ter nascido sabendo tudo.
E os latinos.
Antes que alguém com muito espírito (suíno, a propósito) associe essa postagem ao cantor de funk homônimo (de quem fui fã durante um tempo #mejulguem), eu tô falando de um tipo de homem. E quando falo homem, tô falando de natureza sexual não. Tô falando de genótipo. Latino nasce latino, acorda para a vida latino, independente de com quem se deita e dorme. 
E tá sendo o Alejandro meu companheiro de fossa e abstinência. Não sei por que cargas d'água quando um cara resolve por ordem na vida para de fumar e termina um namoro, tudo junto. Tá pedindo pra morrer? PEDE PARA SAIR, 02!


Parar de fumar é um plano antigo. Experimenta, a sério, sair sem fósforos ou isqueiro e com um maço de cigarros. Dificilmente você voltará com o maço sequer mexido. Não sei exatamente por que, mas as pessoas estão realmente parando de fumar. Cada vez menos pessoas fuma, e cada vez mais é desaconselhável pedir um isqueiro na madrugada. Não vou fazer apologia para ninguém parar, porque a sério eu não pararia. Mas vou porque tenho planos para mim que não incluem o sedentarismo. Só sedentário consegue manter esse vício. Uma aula de arte marcial depois... Esquece.
Agora, terminar relacionamento não tava nos meus planos não. Acho que, terminar nunca está, a menos que já tenha terminado e a gente esteja só empurrando a bola de bosta morro acima a la escaravelho. Vai que no Sol choca alguma coisa né?
E daí, tendo terminado - não só isso, mas também isso - eu precisava de um companheiro pra desabafar. Algo que, sinceramente, não é meu forte, nem gosto. E, embora tenha bons amigos, só mulheres me cercaram nessa hora. Com o perdão, meninas, que tem todo o meu amor: na hora que o sapato aperta e a pedra se chama relacionamento, só um cara entende outro cara.

Valeu, Alejandro. Você entendeu. TUDO.