sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Sacola de velhos poemas - plágio do SI

O TEMPO É TEMPO
O TEMPO TODO,
TODO O TEMPO
É TEMPO INTEIRO.

O SEGUNDO É TEMPO
O MINUTO É TEMPO
A HORA SE FAZ NO TEMPO.

O MOMENTO É TEMPO,
O INÍCIO É TEMPO:
TERMINA NO TEMPO.

O DIA É TEMPO
 NOITE É TEMPO
 MANHÃ É TEMPO
AMANHÃ SERÁ TEMPO.

DINHEIRO É POUCO TEMPO
A PEDRA É MUITO TEMPO.

PARA FALAR, UM TEMPO
PARA ANDAR, MAIS TEMPO.

ESTRELAS SÃO ILUSÕES DO TEMPO,
E A LUZ CURVA-SE NO TEMPO.


NASCE-SE NO TEMPO
VIVE-SE NO TEMPO
MORRE-SE - EM TEMPO.

O TEMPO É TEMPO
O TEMPO TODO,
TODO O TEMPO,
JÁ FAZ TEMPO, 
É TEMPO.





sonido
.
eco oco
eco eco
eco
eco
ec
e

volta, re-voltarebaterenascereverbera!

recua
ecoa
eco
eco
ec
e
.



Vibrando


som

sem sentido

som sentido
só sentido
sentido só
sentido som
só sonido
o som



                              VIVA!

VIVO vivendo a paixão fora de mim
porque do hermético Eu,  já me cansei
laranja, roxa, rosa, verde, vermelha, cinza, amarela, preta, prata, lilá, cor-de-algo
todos amam alguma, todos brincam as suas
eu as sinto sem prismas - amo o inteiro branco todo
- A plenitude é acromática!


ADORMEÇO no colo do sono dos outros
e desperto, lento, no onírico divã da vigília
faço minhas vontades no mundo palpável lindo, leve, sonhado
- O real não há!


MASTIGO palavra, qualquer palavra de boca alheia
todas as letras entre dentes, fazendo barulhos de A – Z
e rumino e rumino e rumino e rumino e rumino e rumino e rumino e rumino
- Tão doce!


CANTO a canção mais humana que existe
que é o som das coisas todas funcionando
ao mesmo tempo, no tempo, o tempo inteiro, o tempo todo, ao mesmo tempo
- O ruído é surdo!


CHORO oceânicas lágrimas dessas gentes tristes
torno-me elas, seus olhares aflitos que procuram
a felicidade, alguma felicidade, muita felicidade, o momento-felicidade
- O coração é muito!


MORRO na vida dos vivos homens pouco viventes
sem caixão, sem velório pomposo, sem despedida demorada, sem temor
fico só vivendo, a paixão fora de mim
VIVO!



        DE LONGE


O SORRISO É TORTO
O OLHAR É MORTO.

O NARIZ É RETO
O CORPO É PENSO.

UMA MÃO,
A OUTRA MÃO,
O CIGARRO NA DESTRA
A SINISTRA NO BOLSO.

UM PÉ DESCALÇO
O OUTRO, FALSO.

O CASACO É TRAPO
O CHAPÉU É SACO
O RELÓGIO É PARADO.

A COMIDA É POUCA
A MORTE É LENTA.

A PELE É SECA
A ALMA É SECA.
OS OLHOS, SECOS.

O CORAÇÃO SECOU,
A VIDA – RETIROU-SE.