domingo, 29 de novembro de 2015

nota

Por acaso alguém já pensou em atribuir nota para os serviços prestados pelo Estado/Empresas? Não? Eu já. Principalmente em vários equipamentos públicos e instituições privadas que em determinado momento precisei acessar e fiquei ainda mais frustrada ou por incrível que pareça esperançosa.

E considerando o movimento maravilhoso, espetacular, estupendo e incrível de ocupações das escolas públicas por estudantes (principais protagonistas) com apoio e suporte de pais, professores, comunidades, movimentos sociais, coletivos etc, considero oportuno atribuir uma nota.

O que acham?
Será que as instituições aceitariam ou considerariam?

Resposta prévia: sem dúvida alguma, sem alternativas de certo ou errado tenho certeza absoluta que não!

A suposta democracia embora diga o quão é importante a participação social pouco ou nada liga ou se importa com a opinião pública, exceto quanto se trata de votos e consequentemente do interesse de pouquíssimos seres humanos.

Prova disso, é que para o governador do estado de São Paulo pedir reintegração de posse de escolas públicas é completamente normal. Afinal se trata de vagabundos que não tem o que fazer e que estão promovendo a desordem.

Também se torna normal, banalizar, prejudicar e criminalizar o movimento de ocupação das escolas pelos estudantes através da criação do suposto e falso movimento de: “devolva minha escola” (e oi?!!). Antemão pergunto que merda é essa?

Quem está "roubando"a escola dos alunos é o governo e não o contrário. 

Portanto, o movimento de ocupação das escolas públicas é legítimo por mil e uma razões e principalmente por que cuida melhor da escola do que ele (governador do Estado de SP) em 20 anos de governo.

O pior é saber que informação assim para gente como o governador e mídia que o apoia de modo irrestrito se transforma em justificativa a favor pois poderá dizer: ah se a sociedade civil cuida melhor, então que tal privatizar ou terceirizar através de OS (Organização Social)?

Então que tal atribuirmos nota para o ensino de São Paulo durante os 20 anos, tendo em vista que a avaliação para certificar-se de que os alunos aprenderam ou não algo é somente através de nota. Também atribuir nota antes que desvirtuem o movimento de ocupações pelos estudantes pois parece a nova indicação para o momento.

Que tal os (ex) alunos, professores, pais e comunidades darem notas para a educação de cada estado? Mas assim, sem esculacho hein, nada de zero, o negócio é de 1 a 10 ou de A a E conforme estipulado para os alunos seja qual for a época.

Sei que parece besteira, mas se pensar que nunca jamais em ocasião alguma a sua opinião vale, irá perceber que isso é importante. Principalmente no que refere a política pública e instituições sejam elas públicas ou privadas a sua opinião deveria valer e ser importantíssima.

Na ausência, da opinião valer ou significar algo, ficamos assim reivindicando mais do mesmo.

E seria loucura demais, imaginar que um dia esse movimento será para reivindicar uma escola de fato, democrática e pautada na educação? E não para manter o que já temos?

Será que nossa mente ainda é fértil para desenhar a escola que queremos?

Ou estamos tão institucionalizados e transformados em coisas que não conseguimos sequer essa possibilidade para um futuro bem distante?

Sinceramente: não sei. Mas acredito.

Principalmente neles que gritam pendurados em portões, grades, formados em rodas (odeio essa formação de uma cadeira atrás da outra), nessa gente nova que arrisca tudo para que o amanhã seja melhor.


E por eles e elas, desenho na mente e no coração numa luta diária e infindável a escola que eu imagino/sonho para meu filho (a), sobrinhos (as), priminhos (as)  e amiguinhos (as) que encontro às vezes por aí e diz: “olha tia o desenho que eu fiz”?! :>)