quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Amores e sapatilhas

“Quer essa sapatilha? Não dá em mim, aperta meu pé”. Conferi o número, provei e era linda, então aceitei a doação da minha amiga, que estava fazendo uma limpa no guarda-roupa. Usei a bichinha um dia e deu tudo certo. Mas no segundo dia senti. Apertou calcanhar e dedo mindinho, suplício de um dia todo. Machucou de tal forma que eu queria tudo, menos estar calçando aquele martírio.
Pensei o mesmo sobre pessoas. A gente se relaciona com um punhado de gente e, quando dá errado, quando o calo aperta, quando faz bolha, machuca, culpamos primeiramente o pé. Nem falo do pé na bunda. Falo do pé metafórico que calçou aquele relacionamento. Não deu certo, não rolou. Fiz algo de errado. Não sirvo para isso. A química não deu certo, isso sempre acontece comigo. Hoje, baseando minha hipótese em duas usuárias-testes, eu e minha amiga, vi que a culpa era da sapatilha. O problema é do calçado, da sua forma assassina. Às vezes, a pessoa que cria calo, bolha, independentemente de quem a pise. Faz o inferno, independentemente em que vida passe.
De qualquer forma, tem uma sapatilha aqui em casa para doação. Porque acredito que mesmo que nos machuquem, cada uma delas, pessoas e sapatilhas, merecem sempre mais uma chance.