quarta-feira, 11 de maio de 2016

Sangue Meu

Tudo sangue meu,
Embebedou-se de meu doce,
Se esqueceu de fugir,
Se esqueceu de voar,
Era tão doce que parecia amar.
O amor tem dessas coisas,
Te dá sangue doce,
Te faz esquecer de viver,
E de repente te mata,
Te faz devolver tudo o que engoliu.
E seu dono em desprezo,
Não quer mais saber de retomar.