quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Depois da chuva

Ela escuta chover lá fora
e sente as lágrimas escorrerem pelo rosto.
Ela ouve o vento movimentando as folhagens
e sente um vazio no peito.
Nem amor, nem ódio nem nada.
Nem o próprio coração a bater.
Um vazio irritante.
Ela sente a brisa úmida.
e deseja um sopro de emoção.
Quer sentir-se viva.
Quer sentir.
As lágrimas, por não fazerem mais sentido, secam.
A chuva, por já ter molhado a terra, cessa.
Será que vai florir?