domingo, 11 de dezembro de 2016

Leg Godt


Hoje eu acordei triste. Sentimental talvez. Confesso que estou me sentindo também um pouco egoísta.

Deveria estar pensando na família que está longe. No pai e na mãe que devem estar com saudades minha. Talvez na namorada a quem digo que amo todos os dias. Mas hoje acordei com um vazio diferente.

Acordei com a falta do som do atrito que elas emitem, dos formatos mágicos que possam formar, da beleza do sorriso sincero que alguns deles possuem, mesmo sendo eles inanimados.

Acordei hoje acreditando que na minha ausência eles aprontam, transformam e re-transformam tudo por lá e antes que eu chegue de volta, eles tratam de arrumar a bagunça e voltar às suas posições de origem.

Sim, bem típico àqueles filmes infantis que você tanto gosta.

Hoje amanheci assim, com esse desejo infantilmente adulto de estar em casa, analisando minuciosamente cada uma das posições. Verificar se todas as peças e pessoas estão devidamente posicionada, não só por estar, mas posicionadas para transmitir algo, que na minha cabeça remeta a uma ação e que aos olhos dos outros pareça com algo que lhes tragam sorriso ao rosto.

Hoje, especialmente hoje eu queria muito mesmo, assim, em primeira e única pessoa, estar montando LEGO.