quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

É só uma camiseta! É mesmo?


Sou honesta e sempre aviso, se não querem saber o que penso, não me perguntem, caso contrário eu respondo. E tenho um lado meio vidente, às vezes fico quieta e depois as pessoas reclamam comigo que eu não disse nada de tal situação.

Uma amiga vai casar e me mostrou as lembrancinhas, vai dar um par de chinelos e o namorado escolheu distribuir uma camiseta, aquela famosa que diz ''Game over''. Como eu quis evitar conflito sugeri que melhor desse de lembrancinhas chocolates e velas, assim não tem erro, mas ela me disse que o seu namorado escolheu a camiseta e ela achou engraçado. Tentei morder a língua, mas acabei perguntando se a camiseta não era ''machista demais''.


Como ela percebeu que não gostei me disse:


-É brincadeira Iara, você precisa relaxar mais na vida, nem tudo é machismo x feminismo, às vezes uma camiseta significa apenas uma camiseta.

Mas não é? Não fiquei quieta porque tenho uma teoria, a pessoa pode e deve fazer o que quiser, desde que saiba a merda que está fazendo, se ela sabe então que vá e faça, mas na ignorância é melhor andar pelas beiradas.


Para amenizar ela disse que não vai me dar a camiseta no dia do casamento, apenas os chinelos. Eu disse que não, quero o conjunto todo e preciso da camiseta, o algodão é bom e vai ser um ótimo pano de chão para meu banheiro.


Não gosto de meias palavras e preferi dizer meu ponto de vista. Eu cresci em um ambiente machista onde diziam que todas as mulheres só se casavam porque ''davam'' um golpe no homem, seduzindo ele. Casamento era uma tortura para o homem e a glória da mulher. Os homens sofriam, eram castrados, mutilados, vigiados e controlados, enquanto as mulheres adoravam viver na sua função de ''esposa'' , parindo, sem gozar nunca e vivendo dos restos e da boa vontade de um ''macho''.


Mas os tempos mudaram e hoje eu digo abertamente, o casamento só é bom para os homens, é de uma conveniência que me assusta, ver como a vida deles fica mansa com um casamento me dá arrepios dos ruins. Não tem essa babaquice de ''Game Over'', porque homem nenhum é obrigado a se casar, se quiser continuar na farra e no ''Game'' ninguém coloca a arma na cabeça, isso não existe, por tanto essa camiseta é machista e nojenta, coloca o homem como um infeliz, coitado, sendo levado ao altar por uma sorridente mulher que diz ''Game Over''.


Ora, se existe ''Game Over'' é para a mulher, que vai destinar todo seu salário para a casa, vai virar figura indispensável para a família do marido, vai parir, amamentar, pagar as contas e ainda coordenar a casa.


Por mim todas essas camisetas de ''Game Over'' deveriam ser queimadas, símbolo das piadas machistas e estúpidas, onde os homens ainda acreditam que são ''obrigados''  a se casar! Que coisa mais cretina!


Se eu tivesse um milhão de dólares apostava agora, o casamento só acaba com a vida da mulher, não do homem. Só se o homem for um sheik árabe bilionário, então pelo menos se a mulher casar e se divorciar uns anos depois sai dali rica, caso contrário casamento é a maior roubada que uma mulher pode passar na vida.


No panorama atual se casar é apenas ter outro emprego em categoria de escravidão, sem nenhum salário ou reconhecimento, não sei quem acha fofo trabalhar mais dez horas por dia de graça, mas cada um é cada um.


E digo isso por mim, se eu me cassasse amanhã o homem ia acertar na loteria, além de musa sou ótima em administrar uma casa e excelente cozinheira, seria um negócio do céu para ele e para mim? Porra nenhuma, seria apenas como abrir a porta da senzala para que eu entrasse.


Essas camisetas mostram como a sociedade é medieval e cega, se recusa a perceber que a única carne moída em um casamento é a mulher, nunca o homem. Casamento hoje é a pior coisa que pode acontecer para uma mulher, atrasa a vida dela, joga mais pressão e pra que? Pra nada, absolutamente nada.


E disse tudo isso para minha amiga que me deu a resposta tradicional, já escutei demais:

-Nossa, Iara, não sabia que você estava tão ressentida com a vida, tão amargurada com as coisas, tão desiludida com o amor!

Mas não estou coisa nenhuma, mas vamos falar claro, escravidão é escravidão, isso não é sinônimo de ''amor'', vamos acordar pra vida e perceber que ser escrava de homem não é a mesma coisa que se ''entregar por amor'' e eles ainda fazem piadinhas com camisetas? Ora, santa paciência Batman, que além de aguentar a imbecilidade de alguns homens vou aguentar suas camisetas ridículas!


Não descarto ''amar'', mas devo ter sangue árabe nas veias e acredito que bons negócios são 50% para um lado e 50% para o outro, se já vou entrar perdendo 100% não me interessa e no momento casamento me parece uma canoa furada e até agora não entendo o que o amor tem a ver com isso.


Poxa, tem coisa mais linda do que amar alguém e sentir o amor? Mas desde quando isso significa virar escrava de homem? Ah, não gosto disso, prefiro ser livre. Não entendo, não posso amar alguém sem me casar com ele? Tenho que ser sua escrava para provar que gosto? Ah, comigo não tem essa não, eu amo, mas não entrego minha vida a ninguém e menos ainda para viver em uma ''senzala emocional''.


E disse a minha amiga:
-Olha, se prepara, porque tudo nesta vida é um aviso, se ele nem casou e já está distribuindo camisetas machistas, quero ver lá na frente como vai ser.


Minha amiga disse:


-Iara, você está paranoica, é só uma brincadeira com uma frase boba.

É? Tomara que seja mesmo, porque muitas mulheres já morreram de ''bobice'' e esse ''machismo brincadeira'' mata milhões ao ano.


Mas é ela diz ''É só uma camiseta!''.


É, e os homens depois de matar uma mulher dizem: ''mas é só uma mulher!''.



Iara De Dupont