sábado, 4 de fevereiro de 2017

Plástico derretido

Lembranças nos fazem crescer. 
Algumas são tristes, outras felizes. 
Levo boas recordações,
entre feridas e cicatrizes.

Tenho uma marca no pulso,
Feita por um amigo.
Brigamos feio aquele dia,
Mas ele sempre esteve comigo.

E nem podia odiar o cara,
Afinal, sempre foi bem legal.
Só fiquei com raiva na hora. 
Perdão, segue a vida, normal.

Na verdade, agora,
Fico até envergonhado comigo.
Vejo mais a cicatriz,
Que esse meu velho amigo.

Decidi mandar uma mensagem,
Perguntar por onde ele andava.
Falei desse poema,
E que com saudade estava. 

É complicado manter amizade,
Quando trocamos de cidade.
Mas a afinidade prevalece,
Não se esquece quem é de verdade.

Nada de cobrir com tatuagem.
Para mim está tudo bem.
Prefiro essa marquinha,
Pelo menos lembro de alguém.