domingo, 12 de março de 2017

Tem gente que é nuvem

Conversando com uma amiga ela confessou estar preocupada. Namorou durante quatro anos, mas há dois o namoro acabou. Perguntei o que tanto a atormentava e ela disse:

-Acho que tem alguma coisa errada comigo. Eu não sinto nada quando penso nele, nem saudades. Poxa, ele foi um ótimo namorado, eu o amava, como é possível não sentir nada, nem saudades?

Não soube o que dizer porque já passei por isso e não encontrei explicação. Até porque não aconteceu com todos os Romeus, existem alguns que ainda mexem com meus sentimentos e me deixam suspirando, mas outros são uma nuvem distante que não significa nada.

Tenho a impressão que essa confusão acontece porque muitas pessoas confundem ''amar'' com ''achar que está amando''. Talvez quando o amor é real fique alguma sensação boa, mas se foi fogo de palha some na memória. Às vezes que isso vinha no meu pensamento lembrava daquela música do Cazuza que dizia ''o nosso amor a gente inventa''. É, inventamos mesmo, tanto que chega uma hora que não sabemos mais se foi real ou não.

O ano passado aconteceu a mesma coisa comigo. Namorei durante quase três anos, depois tudo acabou e uma amiga me convidou a uma festa de aniversário, mas teve o cuidado de me avisar que o meu antigo Romeu iria estar por lá. Fui, mas tive a sorte de sair antes dele chegar, não planejei fazer isso, é porque tinha outro compromisso. Mas fiquei pensando no assunto e depois conversando com um amigo cheguei a conclusão que talvez eu fosse mesmo uma pessoa fria, porque não sentia nada pelo meu ex-namorado, nem raiva, nem ódio, nem saudade, nem amor e se ele existia ou não neste planeta, não me interessava.

Fiquei tão atormentada com a situação que não parava de falar no assunto, como é possível amar alguém loucamente e anos depois a pessoa não significa nada? Ou pelo menos não sentimos nada.  E como é possível gostar de alguém e nunca mais esquecer isso? Tudo me parecia confuso, estranho, teve gente que me disse que eu ainda amava meu ex-namorado, estava apenas ignorando esse sentimento para não sofrer mais, mesmo assim as coisas não fechavam, saber dele não mexia comigo, nem me fazia sentir saudades.

Me enrolei tanto nessa questão que quanto mais eu pensava menos entendia. Até que cheguei a conclusão de que a vida é assim, nem todas as pessoas deixam marcas boas e merecem um espaço na nossa mente. Tem gente que juramos amar, mas o tempo varre da nossa alma e algumas pessoas que pensamos apenas ''gostar'' nunca esquecemos. Talvez somos menos espertos do que pensamos e nem os sentimentos básicos conseguimos decifrar. Talvez eu pensei ''amar'' e não era nada, foi apenas a visão do mar, que marcou minhas pegadas na areia e as do Romeu, mas na primeira onda tudo foi varrido.

Não me atormento mais com isso porque decidi que o máximo que posso fazer é viver os sentimentos, não decifrá-los. Não tenho mais pilha para fazer as coisas desse jeito. Se um dia eu amei e lembro disso com amor e saudades, que sorte e da minha alma, mas se não significa nada, paciência, vida que segue. Tenho certeza que tudo isso acontece dos dois lados, assim também deve existir no mundo alguns Romeus que nem se lembram de mim e se o fazem não sentem nada, e também tem os que lembram com carinho. A vida é feita dos dois lados e nenhum deve nos atormentar, e não temos como saber quem vai ficar na nossa lembrança no canto mais puro e quem não vai nem passar na porta. Já gostei de tanta gente que pensei que esqueceria e todos os dias me lembro deles. E já amei ou acho que amei, alguns que nem lembro mais. Nem todo mundo é sol que aparece todos os dias na nossa alma e aquece, tem gente que é nuvem, passa logo e não faz diferença.

Iara De Dupont