segunda-feira, 19 de abril de 2010

Bisavó cabocla

Diz a lenda que todo brasileiro tem uma.

Segundo meu pai, a minha bisavó cabocla era uma mulher linda, mesmo velhinha. Segundo meu tio, era uma criatura cruel que batia nos netos com um porrete, mesmo depois de cega. Segundo minha tia, o único que não apanhava era meu pai, a quem a velha chamava de "meu caboclinho", mesmo quando já não lembrava mais quem ele era.

Minha filha tem olhos rasgados e um tom de pele surpreendentemente saudável pra um bebê. Se herdar os cabelos lisos e escuros do pai, um dia poderá ser a bisavó cabocla de alguém.

Espero que, da vertente indígena, Letícia herde a aparência, o afeto e o senso de higiene. Bater nos netos com um porrete é muita sacanagem!!!!

Feliz Dia do Índio.