quinta-feira, 1 de abril de 2010

o dia em que eu perdi o menino mais esperto do mundo



Fiquei bem feliz quando soube que seria lançado no Brasil a HQ "Jimmy Corrigan - o menino mais esperto do mundo", do Chris Ware com tradução do Daniel Galera. Tinha ouvido falar do estilo diferente do Ware, "tão difícil quanto Ulisses", do Joyce (que enfeita lindamente minha biblioteca...) e fiquei curioso com este livro dele. Jimmy Corrigan é um homem de meia-idade insatisfeito com o trabalho e dominado pela mãe. Até que um dia seu pai (que nunca o viu) o convida para conhecê-lo em outra cidade e a trama se desenrola a partir deste evento. Me disseram que é uma leitura pesada, realista e dolorida.

Qual não foi minha surpresa ao encontrar a HQ exposta numa bancada da Livraria Cultura de São Paulo, sempre um ponto de encontro meu. Já marquei de tudo por lá e em vários setores, dependendo da pessoa com quem ia me encontrar e do objetivo do encontro. Setor infantil pra alguns, de música pra outros, arte pra poucos outros e assim por diante. Enfim, voltemos ao Jimmy.

Fiquei apaixonado pelo livro. Denso, aparentemente triste, um tanto realista.

Comentei com várias pessoas sobre o livro e, para minha surpresa, no outro dia, recebo a notícia de que ganhei o livro. Não aceitei. Pediram meu endereço. Não dei. Ganhei.

No mesmo dia, ao comentar que tinha ganhado o livro, soube que outra pessoa também tinha comprado o livro pra mim. Fiquem sem saber o que fazer, mas como não consigo deixar minha língua quieta na boca, disse que já tinha ganhado. Perdi.

Na verdade até peguei o livro em minhas mãos, mas a decisão não era minha. O livro não era meu e foi devolvido de onde veio. Pra estante da livraria. O outro livro andou viajando pela mochila e não chegou a mim. E não vai chegar.

No fim das contas, eu, que ganhei dois livros iguais - e que saberia perfeitamente lidar com isso - perdi os dois e acabei comprando - dias depois - da forma mais solitária do mundo. Só eu, minha internet e meu cartão de crédito.

Foi assim que comprei o menino mais esperto do mundo.
.
.
.