segunda-feira, 1 de novembro de 2010

o dia em que fui atingido por uma bolinha de papel e não morri, obrigado

31 de outubro de 2010. eu tava quieto em casa trabalhando em pleno domingo à noite. daí a dilma rousseff resolveu ser a primeira mulher presidente do brasil. a presidenta dilma. pow, momento histórico, não? fogos, helicópteros, buzinas foram invadindo meu apê e eu fui convencido a dar um pulinho ali na paulista sapear a festa. sabe ano-novo? então....

cheguei lá, encontrei amigos, escritores, artistas, diplomatas, jornalistas, mendigos, vovós e crianças. todo mundo gritando DILMAAAA.

de repente, não sei de onde, uma bolinha de papel cai na minha cabeça e eu desmaio, quase morro. um jornalista viu a cena e chegou a tirar essas fotos no momento exato deste ato de vandalismo e agressão. corri pro hospital pra fazer uma tomografia, mas tava tudo bem. a bolinha de papel não me matou.




voltei a tempo de ver a queima de fogos à meia-noite.

e gravei um trecho da "festa da democracia". o dia em que o "feminismo ressuscitou". o dia em que uma mulher assumiu o poder no brasil. um dia que vai ficar na memória de todos, independentemente de sua escolha partidária.



.
é complicado descrever o que foi este evento, mas emocionante talvez seja mesmo a melhor palavra. sei que amanhã ou depois eu posso me arrepender amargamente pelo meu voto e por aparecer no fim desse vídeo fazendo joinha, mas pelo menos tenho certeza de que eu, que vinha desanimado de política há anos, começo a pensar que alguma coisa pode - enfim- mudar.
.
.
.
ps.: a parte da tomografia é mentira, mas né, tenho que explicar isso porque tem gente que acredita em tudo que escrevo.