quarta-feira, 8 de junho de 2011

O mundo já acabou.

Acabou para o meu avô em 1994, para o Michael em 2009 e para o Einsten em 1955.

O seu mundo vai acabar, a grande idéia de existir o fim de mundo onde todos morrem juntos ao mesmo tempo é magnifica demais para ser real.

Amantes terminando juntos, filhos abraçados com seus pais, todos em casa confortáveis, com tempo para todas as suas rezas, perdões, sua sala,seus bichinhos, suas fotos.

Você provavelmente não vai ter essa sorte, e vai morrer pela indo para o trabalho num dia que brigou com seu pai, com um cancêr, com um tiro. Vai deixar filhos, amigos, Deus me livre, pais.

Depois que eu morrer, acabou, que a Terra se exploda. Não fará mais nenhuma diferença. Se eu puder escolher o dia a hora e o local, melhor.
Cada dia que passo acredito menos em vida eterna, em alma, sinto que sou um amontoado de moléculas, atomos que juntos consigo chamar de eu.

Um dia fui um pouco lá, um pouco cá, um pedaço de uma planta, de um cachorro, de terra, da água de um rio, de outra pessoa, e depois de morta, vou reciclar denovo, perco a noção de eu, mas não deixo de existir.
Pensando assim, nem o fim do mundo pode me finar.
Somos eternos.