quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Alemanha versus Espanha

E se o tempo não for a cura?
 
Assisti a dois filmes de diretores tão diferentes, de países diferentes, de escolas diferentes, de preferência sexual tão distintas e que implicitamente passam por este tema. O cinema é assim mesmo, é o empréstimo dos olhos de pessoas tão diferentes de nós: vc quer ver o meu mundo? Pior que a gente vê e mesmo assim, todavia, teima em não deixa de ser o nosso mundo, inclusive nos casos que este mundo ganha mais uma dimensão ou mesmo quando ele tem apenas duas cores.
 
Afinal o que nos cura?