segunda-feira, 1 de outubro de 2012

através da janela

alguém do blog sugeriu e o pessoal acatou. o tema deste mês no blog é infância. e essa foto ali da esquerda, do menino loiro, de uniforme azul, é minha. na verdade sou eu o menino. não preciso falar da foto, nem quero. na verdade o plano era outro, mas quando olho pra ela, lembro imediatamente de quando estudava no trem azul e meu pai foi chamado para conversar com a direção porque eu não prestava atenção nas aulas. me levaram ao médico, que me chamou de lunático. meus pais nem sabiam o que era lunático, mas isso ficou na minha cabeça como uma coisa ruim. depois entendi que ser lunático era ir pra aula e ficar no canto da parede (sempre sentei no canto da parede) olhando pela janela. isso se repetiu por toda minha infância. eu não estava ali, mas estava. meus colegas se matavam de estudar enquanto eu desenhava ou escrevi poemas. e eu tirava as melhores notas (menos em física e matemática, claro). de dentro, eu via o mundo, mas o mundo não me via. hoje, depois de tanto tempo, percebo que muita coisa mudou, mas continuo sendo a mesma criança lunática da foto. ainda consigo passar uma aula inteira dentro de uma sala com o pensamento longe e, mesmo assim, compreender tudo o que se passou. as idiotices proferidas por alguns mestres. as imbecilidades de alguns comentários que nada acrescentam. as inutilidades de experiências pessoais que nada tem a ver comigo. mas eu gosto. gosto de olhar pra foto e perceber que desde então, nunca deixei uma sala de aula. que conheci muita gente bacana neste caminho. que passei de aluno a professor e de professor a aluno várias vezes. que eu vou ser sempre o lunático que vê o mundo e acredita até hoje que o mundo não me vê.