sexta-feira, 13 de setembro de 2013

O inferno de Sísifo

                                                                                                                                                   Sisifo, de Tiziano Vecellio, 1548-1549.

Já ouviu falar da Ressonância Shumann?
Grosseiramente, o nome se refere a um dos campos eletromagnéticos que envolvem a terra.
Desde 1980 esse campo vem sendo alterado, assim como a nossa percepção do tempo. O pulso dessas ondas aumentou nas últimas décadas, descompassando e acelerando a vida na Terra. Isso tem influência direta no nosso ritmo biológico (cientistas da NASA perceberam que astronautas ficavam doentes e desorientados em lugares onde a ressonância Shumann não estava presente. Hoje as naves são equipadas com aparelhos que simulam essa frequência).
Já teve a impressão que o tempo está passando rápido demais?
Mal acabou o carnaval e já é natal?
Então!
Dizem alguns, que nossos dias de 24 horas, hoje têm apenas 16.
O problema é quando você trabalha, trabalha e trabalha e essas 16 horas diárias parecem sempre iguais.
Sísifo, após desafiar os deuses, foi condenado eternamente a carregar uma grande rocha nos ombros até o topo de uma montanha; quando ele estava quase chegando, a pedra rolava ao ponto de partida, obrigando-o a começar tudo novamente.
Quando acordamos todos os dias de manhã e a rotina nos faz representar todos os papéis sociais e obrigações do dia anterior e do outro e do outro, mesmo com um possível dia de 16 horas, tudo vira um fardo.
Lembra: "Quando eu chego em casa nada me consola". ?
Mesmo querendo tocar fogo nesse apartamento, essas horas são para procurar novos rumos, novos caminhos, novos sentidos, ressignificações.
É hora de arejar; é hora de férias.
Boa sexta-feira 13.