quarta-feira, 12 de março de 2014

Sedex do desamor


Às vezes me impressiona ver como faltam tantos serviços neste mundo. Se eu fosse empreendedora já teria desenvolvido milhões deles, mas sou aquela parte da humanidade que acha um saco correr atrás de burocracia e não tem o que se precisa para lidar com tudo que envolve essas questões.

É vergonhoso dizer isso em uma sociedade de ''moderninhos e empreendedores'', mas a gente nasce de um jeito e nem sempre se adapta aos tempos que estão correndo diante de nós.

Nos últimos dias reparei que falta um grande serviço no Correio, o sedex do desamor. 

O amor acabou, mas algumas coisas ficaram, livros, cds, roupas. O que fazer com tudo isso? Ligar e pedir pra vir buscar pode dar margem a uma transa casual ou pior ainda, aquele pensamento medieval que persegue almas como eu, ''ele vai achar que quero voltar e estou inventando desculpas para ligar''. Ah, vergonha total quando pensam isso de mim, gosto da honra que o amor envolve e o silêncio faz parte dela. Não quer mais meu amor? Tudo bem, mas eu não corro atrás nem procuro, me seguro no meu sangue de índia que se recusa a mendigar amor de branco. Sou digna na dor e no desamor, mas não sei o que fazer. O correto seria ir no correio e mandar tudo de volta, mas é justo ter que pagar? Não acho. Uma coisa é desamor, outra é gastar dinheiro, me recuso a gastar um centavo em pontos da vida que deveriam envolver apena meus sentimentos, não meu bolso. A dor da perda já é suficiente e gostaria de pelo menos nesse momento ser amparada pelo Estado, adoraria chegar no correio, colocar tudo em uma caixa e escutar da funcionária- No caso de sedex por desamor o envio é gratuito.
Seria justo. 

Já me disseram para fazer uma fogueira e queimar tudo, mas eu moro em prédio, precisaria da autorização da síndica, que por sua vez precisaria da autorização dos bombeiros, que por sua vez precisaria da autorização da prefeitura. É gente demais e o desamor é só meu, não quero o povo comentando, nem bombeiro com pena de mim.

E por que não jogar tudo fora? Porque sou pão dura, tudo ali custou dinheiro ao falecido, fico com dó. Todas as alternativas que me deram ''vai e joga na casa dele'', ''larga na casa da atual'', ''queima'', ''doa'', ''joga no lixo'', tudo isso é passional demais para mim, ainda não entrei no círculo de ódio, não sinto vontade de agir assim.

Sou uma cidadã fazendo um apelo ao sistema que tanto ignora minha dor, por favor Correios, abram esse serviço, preciso desse sedex do desamor, até porque não sou a única e não sei se foi minha última vez. Talvez eu precise do serviço novamente, só Deus para saber meu futuro.

Fico aqui vendo as coisas empilhadas e penso, como essa falta de serviços atrapalha nossa vida! Imagino que  foi pensando assim que se inventaram tantas coisas, desde a lâmpada até o abridor de latas.

O governo diz que o Brasil está indo muito bem e progredindo, pode ser que um dia escutem meus apelos e coloquem esse serviço nos Correios. Espero não ter que usar, mas é bom saber que conto com isso.
Estado, que seja apenas uma vez, mas se faça presente na minha dor.