sábado, 14 de novembro de 2015

Perdido em Marte


Estava pensando outro dia
No que Mark Watney faria
Se ficasse com o meu computador
Qual seria a pior parte
As minhas músicas em Marte?
O horror! O horror!

Aqui só tem música ruim
Quem é essa tal de Cheryl Lynn?
Pergunta o bravo astronauta
Se eu soubesse disso antes
Trazia tudo do Guilherme Arantes
E a coletânea da banda Malta

Qualquer coisa quebrava o galho
Até meu robô acorda com Beth Carvalho
“Ô coisinha tão bonitinha do pai”
Essa mulher só ouve discoteca?
Não tem outra biblioteca?
E eu aqui sem Spotify

Não aguento tanto Abba
Esse disco inferno não acaba?
Sente só o meu desespero
Já sujei a minha fralda
Já rezei para Santa Esmeralda
Já sonhei com o Tony Manero

Houston, nós temos um problema
Dá o seu jeito, muda o esquema
Só me manda outro arquivo
Empurro o Rover, durmo ao relento
Qualquer coisa eu aguento
Mas com Gloria Gaynor, não sobrevivo

Alô, você aí da Nasa
Eu quero voltar pra casa!
Pra mim já deu dessa odisséia
Tá achando que é cascata?
Ora, vá plantar batata!
(o que não é uma má idéia)