quarta-feira, 13 de abril de 2016

Do imperativo: beijar


Em dias tão ásperos
Em tempos conturbados
Em tristes cenas de dramas reais,
Em que a boca é usada para tanto maldizer.

Na estética do absurdo:
praguejar, detratar,
infamar, vituperar.
Sejamos revolucionários, pois.
Beijemo-nos.

Na boca, na face
Na fronte, no momento do entrelace.
Beijemo-nos

Com lascívia, por amizade
Com amor, transbordantes de afetuosidade.
Beijemo-nos, pois.

Entre irmãos, por protesto,
 sê amantes;
 - não como Judas -
 nunca obstantes.

Beijemo-nos