quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Escrevo como cozinho



Acrescento palavras ao verso
como alimentos ao caldeirão
provo, mastigo, rumino, peço
que nenhum tempero seja vão

Em fogo baixo, a palavra amansa
desata tramas, pousa macia
em fogo alto, a palavra avança
acende chamas, voa na via

E se ouso não lhes ser zeloso
a vingança é certa, sei bem
Engasgado e não saboroso

O poema e o almoço vêm
Mas se em ambos for cuidadoso
sempre mato a fome de alguém