quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

O Mergulho

"Você tem que se amar antes de amar o outro". Perdi as contas de quantas vezes ouvi esta frase nos últimos anos, ignorando todos os sinais e dizendo que a superfície era mais segura e confortável que um mergulho (interno). Até que em algum momento, o ar dessa superfície me deixou tão sem fôlego quanto pular nas profundezas.

Eu, que nem sou fã de Engenheiros do Hawaii, me vi cantarolando "Feche os olhos, tome o ar: é hora do mergulho. O poço não é tão fundo, super-homem não supera a superfície".

Saltei. Mergulhei. Estou mergulhando, Consigo descer mais. Não é tão escuro quanto parece, não é tão assustador, não é muito bagunçado. É apenas um lugar com espelho mostrando sombras que são nossas. A primeira lição é que além de amar o outro antes de si mesmo, também é preciso parar de projetar nossas sombras no outro. E aqui, eu agradeço ao Jung e sua sabedoria.

Não volto à superfície tão cedo.