segunda-feira, 22 de junho de 2009

Não contrariar - indicação do médico

Todo dia na hora de ir dormir ela toma Torval (valproato sódico + ácido valproico). Um remédio de epiléticos para o tratamento de enxaqueca. Sua neurologista que receitou. Aliás, esta ela visita uma vez por mês por causa do tratamento. Anotar todos os dias que tem crises em um calendário e depois verificar se com os remédios (ou mudanças de) obteve melhoras. No mês de maio foram 13 crises no total, sendo pelo menos seis fortes. Já fez ressonância e não deu nada. Mas ela sente que está doente, porém prefere se manter calada... nada de assustar a família!

Quando as crises são fortes ela toma todo e qualquer remédio para dor de cabeça. Qualquer coisa que contenha cafeína e paracetamol e faça passar a dor. É conhecida na família por “roubar” Tylenol da bolsa da mãe ou da irmã. Coisa feia, mas é para o seu bem.

Agora “inventou” a crise de rouquidão. Desde quinta passada fala com voz falha. Foi ao médico e descobriu que é laringite. Sua mãe disse ser “frescurite”. Tudo para ficar em casa e não ir trabalhar. Apesar das dores de garganta que são curadas com amoxicilina e Bi-profenid (cetoprofeno) não é que deu certo o barato de ficar em casa: ganhou atestado médico para três dias! (pessoas do trabalho que estão lendo: estou realmente ruim...)

Nos dez dias pré-menstruais, cruéis para todos que convivem ao seu redor, ingere uma dose de Diserim (bendroflumetiazida + cloridrato de flufenazina), uma espécie de calmante que elimina os hormônios “estressados” através da urina. Não sai do banheiro o dia inteiro. É xixi pra lá e pra cá e bexiga cheia que resultam em um pequeno estresse causado por sua chatice mesmo. Essa nenhum calmante resolve.

Já “naqueles dias” sofre de muita cólica. MUITA mesmo. Já parou no pronto socorro três vezes para tomar buscopan (butilbrometo de escopolamina) com soro na veia. Depois de consultar a doutora gineco passou a tomar um anti-inflamatório de sarar toda dor que existe no corpo: inicox. Quem sofre disso e ainda não experimentou, experimenta! Mas leia a bula antes...

Este foi um breve relato sobre Marina Zyrianoff, sexo feminino, 20 anos. Recentemente descobriu (sozinha) que é hipocondríaca, e procura seriamente terapeuta que resolva o problema. Alguma indicação?

Se persistirem os sintomas, o médico deverá ser consultado...

22 comentários:

  1. adorei. mesmo!
    serei presença garantida todo dia 22 aqui.

    beijo. (:

    ResponderExcluir
  2. marina minha linda, só porque você anda falando com voz de travesti, qual o problema?

    odeio remédios, todos, mas viciei num colirios pós-cirúrgico que deixa a região da pálpebra bem anestesiada, acho que vou continuar usando, mesmo depois que terminar a prescrição.

    texto lindo dessa semi-jornalista que está estudando a toa, já que no post anterior vimos que o diploma não servirá pra nada. pelo menos escreves bem e terás sempre (que quiser) este espaço dos 30.

    ResponderExcluir
  3. Quase acreditei ser a única mulher-das-dores rs.É impressionante, mas desde pequena tomando remédios e mais remédios. Tenho dores de garganta frequentemente, do nada, frio, calor,não tem folga a cada 6 meses lá estou eu tomando bezetacil já não sinto dor,o corpo se acostumou. Logo em seguida algum resfriado me pega na esquina sem aviso e de novo doente, tomando vários comprimidos...injeções...chá...e por aí vai.

    Já a TPM e CÓLICA...Meu Deus!!! Meu sofrimento começou cedo aos 13 anos, já desmaiei na escola, já fiquei no soro milhares de vezes, já fiquei com corpo cheio de hematomas,já fiz tratamento e não resolveu,já quis matar um e me matar de tanto estresse. Não é fácil só sabe quem tem...é surtar uma vez por mês...e tem gente que diz que isso é frescura hein!

    Compreendo perfeitamente...e caso lhe sirva de consolo, saiba que não é a única.

    Fique bem, amei seu texto.
    Mais sincero impossível.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Eu já tomei AAS infantil achando que era bala... quem não tomou?!?!
    Bons tempos de ingenuidade...... ai que saudade!! Minha mãe sempre tinha vários em casa p/ eventualidades....
    Agora, se eu quiser tomar um de nostalgia, tenho q ir à farmácia... nossa que preguiça!!!

    Ps. Gostei da dica p/ cólica... vou experimentar!!!

    ResponderExcluir
  6. eu tbm ja tive quase uma overdose por AAS infantil quando criança. e teria de novo, hj, se minha mae nao os tivesse escondido.

    ResponderExcluir
  7. Odeio injeção. Porém i love vick inalador... ai ai.

    ResponderExcluir
  8. Detesto remédio, mas quando tenho sinusite tomo todo e qlq remédio para dor. Antes sinutab era minha pauxão, agora nao quer funcionar mais e ando tomando paracetamol 750, meu novo caso de amor.

    e uma vez eu fiquei rouca uns 15 dias, e as pessoas elogiavam. estranho.

    ResponderExcluir
  9. amo AAS infantil, é melhor que bala!!!! eu compro prá chupar de sobremesa.

    mas quanto às indicações, indico acupuntura. sério, está fazendo milagres por mim.

    engraçado que eu tinha pensando em escrever meu próximo post meio nesse rumo, falando dos meus tocs, compulsões, paranóias e etcsssss....
    amei o texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa eu também AAS infantil é viciante

      Excluir
  10. Injeção resolve tudo. Marina procure um psicólogo, tenho uma ótima perto da sua casa. ^^ Hahaha.

    Adorei. =]

    Publique mais!!

    ResponderExcluir
  11. Eu estudei na universidade com uma garota hiponcondríaca. Ela tinha (ou fazia) cara de doente, com aquelas olheiras terríveis e expressão de sofrimento. Quando ela chegava os meninos perguntavam: "- E aí fulana? O que você tem hoje? Dor no cabelo ou coceira no dente?" Ela repetiu um ano por ter estourado em faltas devido aos tantos problemas de saúde ou da falta de...

    ResponderExcluir
  12. Eu sou rouca. É congênito. Às vezes piora, mas já me acostumei.

    Melhoras pra você aí!

    ResponderExcluir
  13. fui ao médico hoje. descobri que a rouquidão é "algo mais". laringofaringite. ganhei mais três dias em casa, injeção e mais dois remédios...

    tô bem galera, tô bem! haha

    ResponderExcluir
  14. adorei, eu ja convivi com isso hoje acompanho de longe mais nunca largo, há 16/17 anos e além

    ResponderExcluir
  15. um Lucas Dorado curaria todos os seus problemas. Mas isso não curaria o egocentrismo dele!

    saudades!

    ResponderExcluir
  16. Remédio a droga da cura...
    Se fomos realmente enxergar que nós e todos ao redor (vide exemplo a minha avó) vivemos a comprar saude, a paz o amor...estaremos sendo pequenos e cúmplices de uma sociedade que se contenta com o prazer em pagar e ter..e achar que aquilo resolva qualquer tipo de problema..esquecendo que para ter o bem clinico e emocional, basta respeitarmos os limites, e viver a vida simplesmente como ela é..

    Mesmo ciente que isto é dificil, tentarmos...

    Minha Linda, adorei o texto, e sinceramente, ainda bem que chegou a hora de você expor suas palavras..mais uma vez Parabens..

    Melhora logo...

    Vou te manda uma caixa de remédio..

    Um Beijo

    ResponderExcluir
  17. Vai no boteco e pede uma farmácia. Sai mais barato e anestesia até a sombrancelha.

    ResponderExcluir
  18. Não tenho colicas, jamais, e devido a isso acho que fui abençoada ou coisa que o valha, e não reclamo de nada na vida, mentira, reclamo sim. ^^

    Não sei se sou hipocondríaca nem nada, mas qualquer dorzinha imbecil já me vem a certeza que vou morrer, já posso ver a morte, a reação das pessoas, o funeral e tudo, um pouco bizarro, mas deve ser normal.

    Texto bacana. :)

    ResponderExcluir
  19. ótima dica do eduardo santinon, porém como estou tomando o torval, não posso misturá-lo com bebidas alcoólicas.

    estou há um mês sóbria! clap clap clap!

    :)

    ResponderExcluir
  20. Feito a Ana Cristina César, poeta que se defenestrou quando a angústia já não podia mais, queria eu ter um médico particular para quem ligar, pedido, sem meias palavras, vezenquando, um bom remédio para chorar.

    Texto bonito, estiloso, de menina, (mas não de menininha-moça). O grande risco,agora, de nos viciarmos todos neste bom humor, pílulas de auto-ironia, e dose cavalar de sagacidade de moça pensante em formação. Beijos mil.

    ResponderExcluir