terça-feira, 7 de julho de 2009

As estações são bailados de lembranças de um fim pré-suposto

Primavera

porque aquelas tantas flores e cores eram apenas exterior naquela primavera de um ano que não sei mais. dentro de mim era cinza de lembranças do fim pré-sentido. poeira nas fotografias em preto e branco e o antigo que faz-se presente irremediavelmente. o fado mais triste insistia, aqueles tão morte. e as pessoas que dançavam e rodavam e caminhavam pelas ruas eram bossa-nova. você com seu guarda-sol enorme colhendo flores, antes do temporal. sem perceber que era o temporal todos aqueles anúncios de alegria em out-doors invisíveis e aquele nosso amor que parecia tão contrário quando falávamos de fim. porque a vida insistia dessa maneira. um eterno rasgar a pele e sarar após e até no tempo e re-rasgar e nós numa repetição em acreditar. e desde então e agora. essas tantas flores e cores apenas exterior.


Verão

sempre esse mormaço verão me lembrando você. a maneira como penetra no corpo e aquece até o ponto quase desmaio de tantas lembranças. eu acordando sempre suada, o banho frio às 6 da manhã que nunca foi antes de você, mas que durante. e os vestidos leves, as pernas mostrando-se, o nosso cheiro sempre no ar. o meu pitanga e o teu homem. eu chegava no teu pescoço e te cheirava. eu parava de respirar para te cheirar. sempre ofegando, a sensualidade brotava. e depois de amar quando eu abria a janela, nenhum sol. nenhum. as nuvens meio cinzas cobriam tudo. eu não acreditava. era um calor com tristeza e eu não queria acreditar. uma tristeza que aquecia. uma transformação lenta. e era você. ainda é, mas hoje diferente e tão. como se eu estivesse preparada para não me entregar. os pés, os braços por pouco tempo na água morna. o rosto na água fria acordar só. o corpo todo coberto. as partes que não são, eu rabisco. até a indiferença aparecer, mas. depois de tanto tempo e você ainda. ainda no ar. eu desisto. desmaio.


Outono

e o outono insistia. batia portas, derrubava os quadros, estilhaçava as vidraças do que era frágil. o que poderia ser apenas e obviamente anúncio de tempestade ou da estação seguinte inverno ou qualquer qualquer outra coisa passageira era o alarme do adeus inevitável. e desde então e agora. essa ausência dentro. no silêncio e no meio de tudo que restou passado: teu retirar meus cabelos da face e segurar minha saia durante o vendaval e além de todas as coisas e principalmente me segurar porque eu nunca soube se permanecia ou não. tuas tantas mãos. teus tantos você. até o limite sustentável da conveniência. o acender da tristeza. a desfolhação era interna e minha, o resto insistia. as flores folhas e cores presas nos galhos fingindo-se intactas. quando percebi já era cinza o só eu. e desde então e agora essa mesma nuvem pairando. eu assisto essa estação em mim.


Inverno

o inverno sempre como teu abandono. minhas lágrimas caindo como e com a chuva. enquanto nossos corpos deitados na areia. esparramados no pouco que ainda restava do que éramos. e a eterna espera pelo além do presente. aquele mar em revolta nos alcançava como presságio e impossibilidade de fuga. a chuva nos molhando e o mar e minhas lágrimas, por quê chorar o fim que ainda não. minhas lágrimas e você as lambia. você lambia meu corpo inteiro como um passeio. tua saliva me invadindo poro por poro. e você sem discriminar o que era eu ou você ou a natureza daquela conexão absurda. e logo o suor de você me penetrando e toda. toda aquela água lubrificando o sofrimento. tentativa vã para não doer aquele mistério do após. e eu não pude sequer ouvir ofegando. o gozo. o último. meus dentes cravados no teu ombro até ir morrendo lentamente. tantas cicatrizes e tantas invisíveis e internas. o que era líquido e depois foi concretizando-se. do que sobrou chuva e lágrimas nessa estação. a necessidade de sempre guarda-chuva.