quarta-feira, 24 de março de 2010

Feeling good


Como um beijo doce e delicado, você entrou lentamente cheirosa pelo salão.

Não aceitaria bebida, não dançaria uma única música, não deixaria que tocassem em suas delicadas mãos enluvadas.

As ondas do seu cabelo demonstravam a destreza dos dedos e revelava a fragilidade de uma mulher vaidosa.

(A vaidade sempre entrega as mulheres. E eu sabia disso.)

Você atravessou o bar segurando a bolsa cor de prata que chamava atenção pelo intenso brilho e isso revelava a sua necessidade de atenção.

(Brilho demais sempre entrega as mulheres. Mas disso todos sabem.)

Talvez não aceitasse um drink de qualquer panaca que estivesse babando na barra de seu vestido vermelho, grudado com a língua no chão, lambendo o teu sapato.

Mas eu não sou esse tipo de panaca.

Sou do tipo que todas acreditam ser a pior espécie de marido.

E esse tipo conheço bem.

Atrai mulheres e as deixa apaixonadas com um só beijo.

Naquela noite eu te beijei achando ser o maior sacana do mundo.

Naquela noite meu coração foi sacaneado.