domingo, 4 de abril de 2010

O dilema do homem-bala: osso ou graveto?

Foi uma aterrissagem desastrada. O excesso de pólvora ou um erro na calibragem do canhão atirou o homem-bala para muito além dos limites da cidade.

Como ninguém apareceu para resgatá-lo, ergueu-se com dignidade. Recomposto, espanou com as mãos o pó do uniforme, colocou seu capacete azul embaixo do braço e foi procurar ajuda.

Encontrou uma praia (ou foi encontrado por ela). Sentia no rosto uma solidão solar – e o único ruído audível era o barulho das ondas quebrando de mansinho. Havia um pressentimento rondando, algo que ansiava por tradução, um sussurro qualquer vindo de não sei onde.

Um vira-lata famélico apareceu no horizonte. Daquela distância ainda era impossível precisar se o que ele trazia na boca era um osso ou um simples graveto. “Se tem cão, tem gente”, raciocinou.

E ele seguiu aquela pista. Mas o cão, embora magro, era do tipo velocista – o que impediu que o homem-bala se aproximasse muito.

Por sorte (ou por aquilo que até aquele momento ainda não podia ser chamado de azar), o animalzinho tinha corrido em direção a uma cabana simples, fincada no pé de uma geométrica e caprichosa formação rochosa.

A porta só não estava aberta porque não havia nenhuma esperança de porta ali. O jeito foi bater palmas e aguardar uma resposta. Silêncio. “O dono foi pescar ou tomar banho de mar”. Sem outra alternativa, o homem-bala entrou.

O lugar estava abandonado. Não. Isso não é verdade. Tinha um cão magro (que mordia um osso ou um graveto) escondido embaixo de uma mesa. Em cima dela, um prato de espaguete, talheres de prata e uma taça de vinho tinto.

Uma tentação que o homem-bala só não superou porque sons estranhos saíam de sua barriga. “Eu pago”, repetiu para si mesmo – sem notar que estava sem a sua carteira.

Enquanto degustava aquele banquete, notou que o cão aconchegava-se entre suas pernas. Sentiu-se em casa. Ensaiou um sorriso e foi, lentamente, pegando no sono.

Dormiu. Ou achou que tinha dormido. Acordou com um leve toque no ombro. Ao virar-se, demorou para entender que criatura era aquela. Teve a sensação de que o sujeito ao seu lado era um anão – mesmo sabendo que ele deveria ter mais de 1,80m de altura. “Gostou da refeição?”, perguntou o suposto anão.

Antes que pudesse responder afirmativamente, o anfitrião disse que o espaguete tinha sido uma dica de um velho amigo. “Quando soube da sua chegada, perguntei ao seu avô sobre o seu prato predileto”, comentou.

O homem-bala tentou corrigir o anão de 1,80m. Afinal, seu avô, o primeiro homem-bala da família, havia morrido na Revolução de 1932. “Eu agradeço o espaguete, mas eu não sou a pessoa que você estava esperando”, argumentou.

Um pouco curvado para não bater a cabeça no teto da cabana, o anão (que agora parecia ter quase 2 m de altura) soltou uma gargalhada que fez a praia toda estremecer. Assustado, o homem-bala apanhou o capacete azul, que estava sobre a mesa, e, sem despedidas, fugiu em direção à praia.

Avistou dezenas de pessoas saindo do mar. Feito uma bala (típico do homem-bala), correu ao encontro dos banhistas.

Era como se o mar regurgitasse suicidas. Uma gente pálida, muda, alheia ao tempo, caminhando pela areia com uma rosa de Iemanjá na mão esquerda. O homem-bala bem que tentou, mas ninguém percebeu sua presença.

Sentou-se na beira daquele mar estranho. Seus pensamentos viajavam para uma galáxia distante quando sentiu o cão famélico se aproximar. O que o animal trazia na boca não era um osso, nem um graveto. Mas um dedo. O dedo médio do homem-bala.