quarta-feira, 21 de abril de 2010

Inferno astral

Eu comentei que não ia fazer um post sobre as coisas ruins que tem acontecido na minha vida há exatos um mês. O propósito deste blog não me parece ser este e ler sobre o quanto somos vítimas de um sistema de saúde público e precário, com profissionais medíocres, é pior ainda.

Resolvi rabiscar estas linhas apenas para constar que meu aniversário é em agosto e que se (é que existe) o tal inferno astral deveria começar teoricamente em julho para mim e não em março. Nem quero ver quando chegar as vés[eras do meu aniversário então...

O que tem me irritado mais nesse período itinerante entre casa, hospital, consultório e casa dos pais é esbarrar com gente com aquele papo cristão. Explico: "- Calma, minha filha! Deus nunca dá uma cruz maior que a gente não possa carregar!" Explico de novo: não nasci para carregar porra nenhuma, quero que o mundo acabe em barranco para eu me encostar nele. Não nasci para salvar o mundo. Não vim para esta terra para levar a palavra de ninguém a não ser a minha própria e isso sem querer ser catequizadora, ok?

Então, eu nasci, cresci, escolhi casar-me com um cara, optei ter uma profissão e tenho tentado ser bem sucedida dentro daquilo que me propus a fazer. Mas está difícil. Não basta apenas isso? Só isso, hein, Deus? E olhe que nem acredito mais em você.