sábado, 8 de maio de 2010

La Musica

Eu preferia músicas em português, mas já falei que não gosto do momento da música nacional nesse momento. Sabe quando o Hebert caiu do avião? Por ali a música, o rock nacional, caiu junto.

Escuto música em inglês também, e mesmo se não quisesse não conseguiria parar. É como tomar coca-cola, ou assistir Friends.É difícil não ceder. E com os ouvidos é pior, porque Deus e a anatomia não nós abençoaram com a capacidade de fechar os ouvidos, como fechamos os olhos. Acabamos bombardeados com músicas em inglês o tempo todo. Gosto de Beatles, U2 e o caramba, mas por favor, inglês é uma língua feia demais para ser cantada, é seca, reta e áspera.

Já música da América espanhola eu ouço mesmo, música argentina, uruguaia, mexicana. CDs inteiros, clipes, entro em comunidades. E não é tango não, apesar de ser também. É rock, é pop, é coisa muito boa, que existe a tempos aqui pertinho da gente, e a gente morre sem saber, sem ouvir.

Tem alguma coisa que o brasileiro tem contra o espanhol, eu não sei o quê, um incomodo, um comichão. Pode ser a música que for, o melhor arranjo, a melhor melodia, na hora que ouvem alguém cantar em espanhol torcem o nariz, gritam "o que é isso?", se manifestam , como se ouvir uma música em espanhol fosse uma brincadeira, um deslize brega, mas quem de parar de achar que tudo que vem de lá é comédia, é Chaves e Carrossel, desintoxicar os ouvidos, vai gostar. A reabilitação pode demorar. Procurem Inmigrantes, Julieta Venegas, Miranda!, Soda Estéreo,Cuarteto de nos.

Agora estou começando a abrindo ainda mais os meus horizontes. Músicas árabes, romenas, francesas. Ah, existe um mundo muito maior do quê me ensinou a MTV.