sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

De repente é dezembro



De repente a Simone urra nas rádios, de repente meu pai surge vestido de Papai Noel, de repente minha cunhada aparece com um panetone. Olho no meu celular e me espanto que de repente tem um 12 depois da data, me apavoro com as pessoas dizendo “fica pro ano que vem” sem ironias, de repente a cidade se enche de luzinhas. De repente eu voltei de uma viagem longa e o ano tá acabando, que brincadeira de mau gosto é essa, e meu preparo psicológico de ver tudo se arrastar para enfim terminar? De repente conto uma história dos tempos da faculdade e reparo, em choque, que não aconteceu há dois anos, mas há seis. De repente entendi mais do que nunca Quintana, de repente eu tenho 25 anos, de repente é aniversário do Gil, de repente minha amiga de infância vai ter filho. De repente, tempo, senti que você está de sacanagem comigo, antes você passava mais suave, camarada. Para de correr assim, me dá tempo pra pensar.