terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Passio

Te pedi teu amor
Você me deu aspirina
Te pedi um beijo
Você me deu sal de frutas
Procurei teu olhar
Encontrei um colírio
Achei que era delírio meu

A tua hipocondria
Não é hipocrisia
Acho até que você me ama
Dividimos a cama
E a quarentena
Isso não é coisa pequena

Mas tanto cuidado
Tanto temor
Você se protegia tanto
Que acabou me afastando

Eu tentei te dizer
Que deixar de doer
Não é o mesmo que ter prazer
Você não quis me ouvir

Agora eu deixo doer
Não quero analgésico
Nem anestesia
Quero sentir meu coração em pedaços
Sem ponte de safena
Sem curativo
Deixa eu sentir pena de mim
Que às vezes doer não dói tanto assim