quinta-feira, 19 de maio de 2011

"As pessoas grandes são estranhas"

Durante minha aula de hoje, toda a classe entrou em estado de choque quando um dos meus alunos, ao se deparar com uma citação do livro "O Pequeno Príncipe", disse nunca ter ouvido falar sobre essa história. Depois de meia hora falando sobre o livro pra ele, fui questionado sobre o público alvo do livro. "É um livro pra crianças?", ele perguntou. Concluí minha explicação dizendo que era um livro para todas as idades, e acrescentei que o livro tem significados muito diferentes quando lido por uma criança e quando lido por um adulto.

Saint Exupéry foi incrível ao escrever essa história por vários motivos, mas me encanta especialmente sua sensibilidade. Acredito que, nos dias de hoje, seja impossível alguém possuir uma sensibilidade tão pura ao ponto de ainda conseguir enxergar o mundo com a visão de uma criança que tem muito a ensinar pro mundo.

Quem, nos dias de hoje, consegue amadurecer tanto sem perder a pureza da infãncia? O pequeno príncipe nos diz que "somos eternamente responsáveis por aquilo que cativamos". Essa frase, que já foi tão famosa e apreciada no tempo em que éramos crianças, ainda faz sentido nos dias de hoje?

Tenho acompanhado atualmente o caso de duas amigas que sofreram com infidelidades em seus relacionamentos, e, de alguma forma, acabei relacionando a frase do Pequeno Príncipe com os relacionamentos que tenho vivenciado hoje em dia. Acredito que esse conceito de se tornar responsável por aquilo que cativas se perdeu completamente. O objetivo hoje em dia parece ser o de apenas cativar. Indiscriminadamente e quantitativamente. O objetivo é atraiar atenção, é conquistar números, é ser desejado. Ser responsável por isso, não. As academias lotam cada vez mais de corpos esculpidos pelo desejo de atraiar atenção. Os casamentos acontecem hoje em dia em uma demanda inferiormente proporcional à procura pelo divórcio. Quase ninguém mais entende o valor que tem a conquista, a convivência, a responsabilidade um com o outro, o carinho...

Nós crescemos tanto, evoluímos tanto, melhoramos em tantos sentidos. Porque nos permitimos regredir logo nos assuntos do coração? Se voltássemos a ser crianças, certamente iríamos nos achar ridículos por agir de diversas formas que agimos hoje em dia. Afinal, "adultos nunca entendem e é cansativo para as crianças sempre terem que explicar as coisas a eles." - disse o Pequeno Príncipe ao homem.