sábado, 2 de julho de 2011

O mistério do livro do senhor da barba branca

Eu estava prestes a cometer um grande erro. Tinha duzentos neurônios e trinta reais e noventa centavos a perder. Tomei coragem, respirei fundo e levei o produto até o caixa como se eu fosse um urso polar caminhando sobre o gelo fino. Não queria que nenhum cliente me pegasse no flagra.
- Tem certeza que você vai levar esse livro?
Um senhor de barba branca, camisa social e cabelo ralo penteado para trás fez a mesma pergunta que eu havia feito a mim mesmo minutos antes.
- Não - respondi. - Mas fiquei curioso. Acho que vou levar sim.
- Tá bom. Você que sabe - ele respondeu, colocando a tal coisa numa sacola.
Antes que você me chame de iletrado, saiba que as duas formas são possíveis. Tanto o “você que sabe” como o “você quem sabe” são aceitos pela língua portuguesa. Mas voltando à nossa historinha enfadonha, uma coisa é certa: eu não precisava ter comprado aquele livro. Bastava a leitura de no máximo dez páginas, em pé, em frente à bancada dos livros mais vendidos. Depois eu sairia de lá com o novo do Paul Auster debaixo do braço e o dono da livraria ficaria orgulhoso de mim, do Brasil, do mundo e dos pássaros. Ele poderia pensar que após a compra do Auster, ou então de um Scott Fitzgerald, os pássaros teriam um bom motivo para continuar a voar, cantar e defecar livremente na porta de entrada do seu estabelecimento.
Alguns anos depois, em consideração ao senhor da barba branca, passei longe das salas de cinema que exibiam o filme inspirado no livro. Devo dizer no entanto que gostei do que vi nos cartazes de divulgação. Normalmente só tem o nome do filme, os nomes dos atores principais e o dia da estreia. Mas dessa vez, além das informações básicas, a produção optou por frases bacaninhas que a meu ver ajudaram a vender o filme:
- Seu namorado quer ver? Então mostre pra ele.
- Vá com seu namorado, suas amigas ou sozinha. Só não vá com preconceitos.
- A história de uma garota de família. Até a cena 2.