quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Depois das 10

Gosto quando, já de noitinha, chegas com teus passos pesados que assustam a vizinha;
Gosto da tua falsa cara de surpresa ao ver minha falsa cara de surpresa;
E da implicância que tens porque eu vejo novela,
e faço o jantar ouvindo Tetê Espíndola,
e tenho descaso com meu gato,
e esqueço de comprar frutas;
Gosto de sentir, ao mesmo tempo, tua barba e tuas mãos em mim;
Gosto do jeito que apagas o cigarro
e do jeito que danças;
Gosto da louça suja que fica para a manhã,
dos anúncios que inventas enquanto tomamos banho,
dos projetos que não fazemos;
E gosto tanto dos minutos que ficamos em silêncio, abraçados na cama.
Mas, no escuro, sei que pensas em outro cara.

Por isso, e só por hoje, vamos trepar de luz acesa?