sábado, 29 de outubro de 2011

De Karla, para Ana

Você não fez a tatuagem no lugar secreto. Não pintou o cabelo da cor de salsicha. Não comprou o vestido longo. Não fez a viagem a São Thomé das Letras, não conheceu Ouro Preto (humpf), menos ainda Paranaguá e a Bahia de todos. Não conseguiu o estágio tão almejado na saúde ou Ongs para apreender mais da violência contra mulher. Não comprou a biografia em fotos de Lispector. Nenhum daqueles cds/dvs ocupam a reles estantezinha. Não conseguiu resolver o problema com o Banco mais safado do mundo, que te cobra uma taxa absurda por um cartão que você nunca usou, e restringindo seu nome na lista negra, te prejudicando até a morte. Não sanou a solidão do corpo, quase em desuso esse metro quadrado de espaços a serem batizados. Não sanou dívidas. Não comprou o perfume importado que ao cheirar/sentir na loja você quase morre de tanta vontade. Não comprou os badulaques, sapatos, calcinhas e sutiãs ousados, blusas e shorts, ah o biquininho mais a saída de praia. Não fez o curso que tanto queria,da língua mais tesuda do mundo "francês". Não fez tantos ou mais amigos. Não degustou pratos em restaurantes ralés ou chiques. Não assistiu aquela peça naquele teatro famoso. Não comprou a coleção de filmes. Não usufruiu da liberdade de casa para novos convites. Não devolveu a cantada e o sorriso. Não foi naquele show, lá na cidade que todos "baba baby". Não aceitou o convite. Não encontrou a costela, prá deitar, dormir e acordar sentindo bafo. Não ajudou a sua mãe naquele negócio. Não falou tudo que está engasgado para o sangue do seu sangue. Não modernizou-se, reinventando certas coisas. Não fez aquele corte de cabelo. Não trocou de emprego. Não comprou aqueles livros. Não atualizou o curso de info. E não deixou de ser solteira, sem nenhum real na carteira. E não, não e nãos e mais nãos...e muitos eteceteras de não. Pois é... Mas saiba, para a quantidade de nãos, existe também a quantidade considerável de sim, sins. E não há nada, nada mesmo que você não possa reverter - de não - para sim, exceto a morte. Mas isso você bem sabe. No mais, é uma questão de tempo. E tempo, esse tempo, sempre foi seu aliado. Dúvida? Então se olha no espelho, verá um sim bem grande estampado na cara...

De Ana, para Karla
Para de ser doida e vá arrumar a mala, que logo mais é pé na estrada! Mas antes pelo amor de Deus acorde cedo uma vez na vida, agradeça aos céus por mais um dia e vá correndo com sorriso no rosto para o curso. Que de última hora, assim no rompante você conseguiu em caráter de exceção e aprenda mais do Serviço Social e a Questão Urbana :)) E depressa, mais rápido que puder, literalmente voe sentido Barra Funda para o ônibus Transul. Porque tem um gato siamês lindo e gordo; um cachorro preto (capado, owim q dó) um chaveiro de cão, na cor amarela sentado na varanda balançando o rabo; um vale lindo cheio de nascer e morrer de sol com céu azul, um cheiro de árvore, uma praia chamada Cananéia te esperando. Mais uma mulher bonitona de cabelo cacheado, sorriso bonito, de braços abertos querendo te apertar até sufocar prá dizer rindo - eu te amo, FELIZ ANIVERSÁRIO ! Então vá simbora dormir, 1,2,3 e já.zzzzzzzzzzZZZZZZZZZZZ.

É... sabe o que é?
Uma parte de mim é muito lúcida e é Karla. Mas outra parte de mim é Ana, ah essa tem muitos nomes, mas ainda assim é Ana e essa é muito louca. Uma pancadona Mas ainda sim lúcida.


"Você receberá amor
Você receberá cuidado
Você receberá amor
Você tem que confiar nisso..."

"All is full of love, You just aint receiving, All is full of love, Your phone is off the hook, All is full of love, Your doors are all shut, All is full of love!"





Esse clip, representa exatamente a vontade insana de pirar e resolver tudo assim, na base da pirotecnia. Principalmente quando o capital é soberano e implacável, feito trator destrói as relações humanas. "And if you complain once more, You'll meet an army of me" Talvez seja o mal, nunca reclamar... E sempre aceitar:You're alright, There's nothing wrong, Self-suficience, please, And get to work" Que merda viu!