quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Maior abandonado

É muito fácil encontrar pessoas que se sentem solitárias. Hoje em dia parece que ninguém se relaciona mais. O mundo globalizado aproxima tudo de todos e torna as pessoas cada vez mais isoladas, protegidas por uma verdadeira muralha de conexões. 

Pode parecer um exagero meu, mas vamos fazer um teste então. Só hoje, quantas pessoas você viu com os olhos baixos, vidrados no celular, no meio da rua/metrô/ônibus? Não foram poucas, né? Pois bem. E, meio paradoxalmente, me espanta ainda o exemplo de dois amigos, que se conheceram  no ônibus a caminho do trabalho e hoje estão casados. Admiro, mas ainda me espanta. Mesmo assim, isolar-se no meio de sete bilhões de pessoas é bem surreal. Por isso mesmo eu procuro me relacionar com as pessoas ao meu redor. Nada de ficar atualizando status de facebook quando estou na companhia de outras pessoas de verdade, de carne e osso. Ok, eu ando dando uma chance para o foursquare, mas sou discreto. Por sua vez, quem me abandonou foram as lojas de departamentos. Me sinto completamente negligenciado quando entro numa Renner, C&A, Riachuelo...até a Luigi Bertolli anda me decepcionando. Parece que não me conhecem mais. Vocês já viram o que vendem na seção masculina dessas lojas? Não fazem mais roupas pra mim. Pra começar, aquelas calças justas. Sério, tenho certeza de quem criou essas calças fez uma vasectomia, se arrependeu e quis que todo mundo sofresse com ele. Aposto que essas calças serão a causa de uma queda na taxa de natalidade daqui a alguns anos. 

Ontem mesmo fui entrar numa loja e dei meia-volta quando vi o manequim com um lenço roxo enrolado no pescoço, uma camiseta gola V que faria inveja a muito decote e uma calça quadriculada branca e vermelha. 

Estou sozinho.