quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Lista de atitudes

Vivemos naquela época em que todos desejam a liberdade, mas carregam a certeza (e os impedimentos pessoais) de que ser livre é um sacrilégio. Uma dificuldade sem tamanho.

- Enquanto você não assumir pra você mesmo o tamanho da sua liberdade, ela se resume ao tráfego trabalho-casa no seu carro próprio. E quem se resume às bênçãos do carro próprio, não desfruta os prazeres de andar descalço mundo afora.




Há quem faz as listas de começo de ano (eu sou uma) e coloca as mil coisas que - provavelmente - se repetirão na lista do próximo ano. Eu mesma tenho um desejo que está no alto da minha lista tem pelo menos uns 10 anos. Ele continua lá pelo simples fato de que eu não me esforço por ele. É a coisa que eu mais quero na vida (quem me conhece sabe), mas enxergo na força de vontade um empecilho maior: o da impossibilidade. E o pior é que eu sei, e tem muito tempo, que 'o impossível é APENAS uma palavra'.

- Enquanto você (me incluo) não se esforça para resolver os problemas que travam a sua existência, tem muita gente por aí rindo da vida, empurrando a miséria com a barriga e sambando quando amanhece o dia. Os problemas somem quando você os abstrai. Não assim, ao pé da letra. Mas são desatados os nós da angústia e se torna mais simples de resolver.


Viver é fácil. É fácil sim! E delicioso!

- Enquanto você esquenta sua cabeça com neuras e incômodos pessoais, lembre-se que isso só afeta a você. Que ninguém se importa com as suas neuras e que seu incômodo tolo não fará o vizinho do som alto mudar de casa. Eu penso nos outros antes de fazer alguma coisa, e já disse aqui que tenho medo incomodar as pessoas. Mas, como diz meu amigo Lucas, não se pode cobrar o bom senso de ninguém. O ideal, bem, é abstrair e viver mais leve. Quando está em suas mãos, faça! E quando não esta? Vai ficar incomodadinho com isso e sofrendo por 30 anos com o pagodão do vizinho? Viva mais leve. E viva.



Às vezes deixamos de fazer coisas bobas por medo, e nos privamos de experiências redentoras. Eu sou meio desbravadora e não tenho medo de encarar o mundo. Penso nas milhões de oportunidades que teria perdido se levasse a sério minha tonturinha em lugares altos, ou se não abstraísse meu enjôo de estômago toda vez que entro em *qualquer* meio de transporte, ou aquele medo bobo de quem acha que não tem chão ao ir desbravar um outro país.

- Enquanto você se esconde debaixo do edredom nos dias quentes com medo da Cuca, tem gente que dorme na areia da praia e acorda com a brisa do mar dando bom dia. O seu medo foi criado por você. E só tem uma maneira de ele ir embora. Você já sabe, né?



Cansada das resoluções de ano novo que eu sempre faço por mim e nunca as cumpro, resolvi montar minha lista com coisas que promovem a minha (e talvez a sua) mudança interior. E isso é só o primeiro passo - e não termina em 2012.


Feliz ano novo, queridos leitores!


PS: perdão por não escrever no mês passado, perdi a data pois estava de mudança durante meus últimos dias na Argentina.

PS 2: no 28 do próximo mês, estarei de mochilão pela Latino América. creio que nessa data, estarei no Equador. então, bom, ainda não sei. pois não levarei computador. mas tentarei postar de alguma lan house, coisa assim. ou deixar programado. e já tenho o tema!