quinta-feira, 12 de abril de 2012

Contra ou a favor ? (Placar de jogo no aborto ? )

O que mais me impressiona no mundo é ver como estamos no século XXI, momento de  grandes progressos na ciência,mas ao mesmo tempo pensamos e sentimos como se estivéssemos no século XVII.
Tem assuntos que não dá nem para jogar na roda.Até poderia, se eu tivesse nascido na Finlândia,mas essa não foi minha sorte.Estou aqui em um país lindo, maravilhoso,cheio de belezas naturais,que odeia a mulher.Machismo é pouco,o Brasil é misógino, retrógrado e totalmente convencido de que as mulheres tem retraso mental, por tanto não podem ser donas do próprio corpo.
Diante da votação de hoje, em relação ao aborto de anencéfalos, as pessoas se dividiram em dois grupos, contra e a favor,como se fosse um jogo de futebol.
O aborto discutido em cima disso,contra ou a favor.Apenas isso.Esqueceram que é um problema de saúde pública que envolve muitas questões, não apenas uma.
Mas isso não foi suficiente.O grupo a favor tenta argumentar,o grupo contra é religioso,o que em si fecha a questão, difícil dizer alguma coisa quando as pessoas juram que trazem recados de Deus.
Virou uma questão do século XVII, não pode ser mencionada sem levantar grandes paixões, pessoas carregando cartazes e clamando pelos Deuses.
Por que tudo relacionado a mulher causa tanto mal estar?O que existe em nós que desestrutura o pensamento machista, assusta os homens, paralisa a sociedade e levanta o ódio dos religiosos ?
O aborto é não é uma questão feminina, já que eu não conheço nenhuma mulher que engravide sem um homem.Não é comum sair para comprar roupas e engravidar nos provadores sozinha.O aborto é uma questão social e isso é um problema da sociedade inteira. Não existe essa opção de ser contra ou a favor.Se a mulher decide abortar e o sistema não apóia,ela cai em clínicas clandestinas.Isso tem um preço para a sociedade, por ano são centenas de mulheres que morrem de hemorragias ou saem de lá estéreis.Se a mulher decide ter um filho sem condições, sem o apoio do Estado , existe um probabilidade enorme dessa criança,que cresce sem nada, se tornar um peso para a sociedade.
Fácil dizer que é contra o aborto.Quantos apóiam a mulher que tem o filho sem condições de cuidar ? Onde estão os grupos religiosos para garantir a essa mãe que essa criança tenha seus direitos ?
Fácil ser a favor do aborto quando não existe estrutura na rede pública de saúde e clínicas para realizá-lo.
Assunto fácil de dizer se é contra ou a favor.Mais fácil ainda se é um homem que vai decidir.Ora, o que ele pode saber sobre isso ? Homens não sabem sobre o aborto o principal, que não é uma questão das mulheres, é uma questão da responsabilidade deles também ,é um ponto onde eles tem obrigação de participar,mas não de uma maneira patriarcal e machista, visando punir a mulher, mas sim entendendo que é uma questão que envolve a todos.
Enquanto se fala do aborto como se fosse um placar de jogo,ele vai sendo empurrado para debaixo do tapete.São muitos os gritos dos grupos religiosos,o machismo que trata a mulher como se fosse um objeto,a sociedade que não gosta de polêmicas e o desconforto que o tema causa.E as mulheres ?Não sei, ninguém perguntou nada a elas,parecem invisíveis, sombras na parede,parecem ser a parte que menos importa.Todos falam do famoso feto, se é um ser humano antes das três semanas ou não é.O corpo onde ele está é propriedade do Estado e da Igreja e não tem voz.Muito se discute o direito a vida, o direito do feto se desenvolver ,mas não discutem os direitos da mulher, agem como se elas não existissem.Por isso mesmo essa discussão não vai levar a nada, impossível falar de aborto querendo ignorar a mulher. Mulheres não são incubadoras, nem páginas de livros, nem estatíticas e não podem esperar que o patriarcado perceba isso e mude a história.Nos fizeram invisíveis, mas não somos. Não somos placar de jogo,não somos apostas de contra ou a favor.Apesar de tudo o que fizeram e fazem, ainda somos nós, ainda somos mulheres e ainda podemos  mudar os ventos .Mas que dessa vez seja ao nosso favor.